Modesto começa transição na Casa Civil e Taques deve adotar outras soluções caseiras

Ednilson Aguiar/O Livre

Júlio Modesto

O novo secretário-chefe da Casa Civil, Júlio Modesto

O secretário de Gestão (Seges), Julio Modesto, foi confirmado como novo chefe da Casa Civil de Mato Grosso, no lugar de Max Russi (ex-PSB), que retoma o mandato de deputado estadual na próxima terça-feira (20). Modesto já iniciou o processo de transição, segundo informou o atual secretário. O adjunto Ruy Carlos Castrillon da Fonseca é cotado para assumir o comando da Seges.

Max Russi adiantou que a tendência é o governador Pedro Taques (PSDB) adotar outras soluções caseiras para substituir os secretários que vão se desincompatibilizar dos cargos até 7 de abril para concorrerem nas eleições deste ano. “As mudanças devem ser internas. Mas não tem nada fechado”, disse, nesta terça-feira (13), depois de evento de filiação do SD.

O chefe da Casa Civil informou que se desfiliou do PSB ontem, mas ainda não definiu o partido ao qual vai se filiar. Ele procura uma sigla que acomode seu grupo político, com prefeitos e vereadores, e que esteja assegurada na base de Taques, que deve se candidatar à reeleição.

O titular da pasta de Cidades, Wilson Santos (PSDB), também anunciou que deixa o cargo na próxima semana para retornar à Assembleia Legislativa e se candidatar à reeleição. Ele indicou a adjunta Juliana Ferrari para tocar a pasta.

Há possibilidade, também, que, com a reforma administrativa, a Secid seja fundida com a Secretaria de Infraestrutura e Logística (Sinfra), e seja tocada pelo secretário Marcelo Duarte. As duas pastas já funcionaram juntas em governos passados, e foram desmembradas no governo de Silval Barbosa.

Na Secretaria de Educação (Seduc), dois adjuntos são cotados para assumir a pasta: Marioneide Angélica Kliemaschewsk (Gestão Educacional e Inovação) e Edinaldo Gomes de Sousa (Política Educacional). O secretário Marco Marrafon (PPS), que está de saída para disputar uma cadeira de deputado federal, confirmou a possibilidade de Marioneide ou Edinaldo assumirem, e disse que a tendência é que alguém ligado ao programa Pró-Escolas fique no comando da pasta.

O titular da Agricultura Familiar (Seaf), Suelme Fernandes (PSB), também informou que deixa a secretaria para disputar uma vaga na Assembleia. Ele tenta emplacar um adjunto como substituto, para dar continuidade à gestão, mas o governador ainda não definiu a situação da pasta, pois também recebeu indicações políticas.

O secretário de Desenvolvimento Econômico (Sedec), Carlos Avalone (PSDB), também deve deixar o governo para concorrer a deputado estadual. Os adjuntos Luiz Carlos Nigro (Turismo) e Leopoldo Rodrigues Mendonça (Empreendedorismo e Investimentos) são cotados para o cargo de Avalone.

Confira prazos para candidatos deixarem os cargos e disputar as eleições deste ano.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEd Sheeran conhece fã de nove anos que tem paralisia cerebral
Próximo artigoFoco na reeleição