Ministra participa do lançamento do World Cotton Day em Genebra

Na ocasião, Tereza Cristina defendeu o fim dos subsídios mantidos por alguns países aos seus produtores

Foto: Assessoria

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, participou do lançamento do Dia Mundial do Algodão [World Cotton Day], nesta segunda-feira (07), na sede da Organização Mundial do Comércio (OMC), em Genebra, na Suíça. A data tem como objetivo marcar uma reflexão sobre a importância da cultura do algodão como vetor de desenvolvimento econômico e social em todo o Mundo.

Ao lado da ministra, o vice-presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), Júlio Cézar Busato, o presidente do Instituto Brasileiro do Algodão (IBA), Haroldo da Cunha, e o produtor Paulo Shimohira representaram a cotonicultura brasileira.

O grupo também participou dos painéis, entre eles, um apresentado pela ministra. Em seu discurso, Tereza destacou a importância socioeconômica da cotonicultura para o País e o caráter sustentável da atividade. Ela também defendeu o fim dos subsídios mantidos por alguns países aos seus produtores.

Para a ministra o “bom funcionamento do comércio internacional, sem distorções, é fundamental para o desenvolvimento de setores produtivos agrícolas, como o do algodão. Por essa razão, o Brasil tem sido um membro ativo na OMC, sempre buscando fortalecer o papel conciliador da organização, pautado por isenção e equidade”, disse.

Em seu discurso, Tereza Cristina destacou que mais de 80% da produção brasileira de algodão é certificada (Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Algodão certificado

Ela reafirmou o comprometimento do setor produtivo brasileiro com a sustentabilidade ambiental, lembrando que o Brasil é líder mundial na certificação socioambiental de algodão, com mais de 80% da produção certificada. A ministra destacou que, em 20 anos, a produção nacional de algodão cresceu 226% e, na safra 2017/18, o Brasil colheu 2,2 milhões de toneladas de pluma, 11% da produção mundial, sendo Mato Grosso o maior produtor.

E lembrou ainda dos números da cadeia produtiva do algodão no Brasil. “O PIB é de cerca de US$ 74,11 bilhões, considerando as vendas de produtos de confecção. A cadeia gera emprego e renda para 1,2 milhão de trabalhadores”, disse.

Segundo o vice-presidente da Abrapa, e também presidente da Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa), Júlio Busato, a fala da ministra reflete hoje um dos maiores problemas enfrentados pelos cotonicultores do Brasil. “Com os preços em baixa, a remuneração do produtor está no nível do custo de produção. Essas distorções têm impacto grande. Sabemos não apenas que alguns países mantêm esses subsídios, como o quanto eles investem em suas políticas de incentivo”, afirmou Busato.

Data para ser comemorada

Para o presidente da Abrapa, Milton Garbugio, a data é motivo de comemoração e faz “justiça à fibra que acompanha a humanidade desde o início da história. É também um marco importante para que essa mesma humanidade possa pensar suas ações hoje, de modo a garantir que haja um futuro. Escolher algodão é comprometer-se com um matéria-prima sustentável e dignificante”, disse.

O lançamento da data foi uma iniciativa do Cotton-4 (Benin, Burkina Faso, Chad e Mali) em colaboração com a Organizado pela Organização Mundial do Comércio (OMC), ligado às Nações Unidas (ONU).

*Com informações da Abrapa

Como você se sentiu com este conteúdo?

loading spinner

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCultura do algodão faz parte dos debates do 4º Congresso das Mulheres do Agro
Próximo artigoÁlvaro Dias em Cuiabá