Marcel van Hattem: “Brasil depende das reformas de Bolsonaro para sair da crise”

Deputado federal do Novo vem se posicionando contrariamente ao candidato de seu partido a presidente nas últimas eleições, João Amoêdo

(Foto: congresso)

O deputado federal Marcel van Hattem (Novo) comentou nesta quinta-feira (22), em Cuiabá, sobre a importância das reformas tributária e administrativa enviadas pelo Governo Bolsonaro ao Congresso. Para o deputado, o país precisa aprovar as reformas se quiser sair da crise.

Desde que foi eleito, Van Hattem vem defendendo o Governo Bolsonaro, contrariando o empresário e candidato do Novo nas eleições presidenciais de 2018, João Amoêdo, que critica praticamente todas as medidas do presidente em suas redes sociais. “Amoêdo não fala pelo Novo”, afirmou Marcel Van Hattem, nesta semana.

“No partido Novo há liberdade para opinar, com responsabilidade! Arca-se com as consequências do que é dito externamente, colhendo elogios ou críticas na opinião pública; ou internamente, perdendo apoio de filiados ou, em situações mais graves, punido pela comissão de ética”. escreveu em seu perfil do Twitter.

Em entrevista exclusiva ao LIVRE, o deputado disse que ainda tem esperança de que as reformas sejam aprovadas ainda em um primeiro mandato do governo Bolsonaro – e que as reformas podem ter atrasado por causa da pandemia.

“A esperança é a última que morre; eu tenho esperança que as reformas passem ainda neste mandato. Por causa da pandemia, a gente está vendo que está demorando mais tempo do que se esperava antes. Ao que tudo indica, a reforma tributária deve ser aprovada no começo de fevereiro”, disse Van Hattem.

“Eu espero que as reformas caminhem, porque o Brasil depende delas! Sem as reformas, nós vamos sair ainda mais tarde dessa crise sanitária e econômica que a pandemia acabou nos ocasionando”, avaliou o deputado.

Van Hattem esteve em Cuiabá para dar seu apoio ao candidato do Novo à prefeitura da capital, Paulo Grando.

LEIA TAMBÉM:

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCNJ mantém suspensa eleição para presidente do TJMT
Próximo artigoTrabalho remoto cresce seis vezes