Paulo Grando: conheça os candidatos a prefeito de Cuiabá

Filiado ao NOVO desde 2015, essa é a segunda eleição do profissional liberal que vê semelhanças entre a gestão pública e a privada

(Foto: O Livre)

Paulo Henrique Grando (Novo) é formado em administração pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), em 1999, já trabalhou em áreas executiva e de gestão, com passagem por empresas nacionais. Neste ano, acredita que pode se tornar o próximo prefeito de Cuiabá.

Diz que a analogia entre empresa e Estado é válida, tanto pelo volume de burocracia quanto pelas situações diárias que precisam ser resolvidas politicamente.  

Aliás, sua experiência no mundo empresarial dá forma à visão dele para a gestão pública. Em sua avaliação, o grande problema do país é a má-gestão do dinheiro pago pelo contribuinte.  

O orçamento de R$ 3 bilhões – o previsto para 2020 em Cuiabá -, diz ele, é suficiente para desenvolver áreas historicamente deficitárias como saúde, educação e infraestrutura. Isso não ocorreria por causa do “vazamento descontrolado” de recursos. 

Mas esse não é o pior dos problemas na esfera pública, apontado por Grando. O Estado “interfere desmedidamente” na vida privada do cidadão e formula soluções para problemas criados por ele mesmo, em sua perspectiva. 

“A gestão pública interfere muito no cotidiano das pessoas. Ela precisa se concentrar nos problemas que realmente deve e pode resolver. Não é sua responsabilidade planejar a vida das pessoas, sua responsabilidade é descomplicar as coisas e interferir o mínimo possível na vida do cidadão”, comenta. 

O que pretende na política?

O profissional liberal diz que entrou para a política para contribuir com a mudança dessa mentalidade. “Parei de reclamar e entrei em ação”. Filiado ao NOVO desde 2015, tentou em 2018 a entrada em um cargo público, como deputado federal. 

A pré-candidatura à Prefeitura de Cuiabá é vista por ele como uma “contribuição” à cidade a qual chegou aos 6 anos de idade, vindo de Barra do Garças (515 km de Cuiabá). 

Aos 45 anos, Paulo Henrique Grando já foi casado e hoje está solteiro. Não tem filhos e diz não ver isso como um problema para que a sua candidatura seja aceita pela população. 

Na avaliação dele, um assunto particular não se reflete no perfil de gestor que ele apresenta.

O mesmo é dito sobre a religião. “Acredito em algo, mas não sigo nenhuma religião, acho que isso é de foro íntimo”. 

Contudo, vê no país um momento de “tensão” dos valores morais.  

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

1 COMENTÁRIO

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSomente 1% de adolescentes do sexo masculino vai ao médico
Próximo artigoMotorista de ônibus tenta acordar passageiro e descobre que ele estava morto