Lego mania: alunos de MT constroem casas com tijolos de plástico

Protótipo será apresentando em evento internacional que premia soluções inovadoras para problemas da atualidade

Resolver o problema do déficit habitacional com sustentabilidade. Este é o objetivo do projeto dos alunos do ensino fundamental da Sesi Escola, que usa tijolos construídos a partir de garrafas pets na construção de casas.

São como os famosos brinquedos Lego. Eles se encaixam e em pouco tempo podem formar um lar para quem antes estava na rua ou pagava aluguel.

Vale lembrar ainda que a matéria prima, que antes era lixo e acabaria nos rios ou aterro sanitário das cidades, ganha uma nova utilidade, o que gera redução da poluição.

Os alunos, que formaram a equipe de robótica “Young Creators”, pretendem apresentar um protótipo, que está em produção, na competição First Lego League (FLL), que inclui etapas regionais, nacionais e internacionais.

Em fevereiro de 2020, será a primeira etapa e a segunda, está marcada para março em São Paulo. Não houve definição de data da fase internacional.

Critérios de julgamento

A First Lego League (FLL) é promovida por instituições sem fins lucrativos e que visam desenvolver o uso prático dos conceitos teóricos entre os jovens.

Entre os critérios de avaliação dos projetos, está o impacto local do problema a ser resolvido, bem como a solução apresentada.

A pesquisa e o desenvolvimento dos projetos devem ser realizados pelos alunos, que podem se reunir em grupos entre 5 e 10 componentes.

Neste ano, os alunos são desafiados a pensar em como construir as cidades do futuro (Foto: Reprodução Torneio SESI de Robótica)

O projeto

A necessidade do projeto foi justificada com pesquisa. Os estudantes identificaram que 70% dos mares estão contaminados com plásticos. Eles também acrescentaram notícias mundiais dos impactos do problema, como a morte de baleias.

Os animais estavam com toneladas do produto no estômago e o mesmo acontece com tartarugas e demais animais marinhos.

Paralelo a isso, os alunos constataram os impactos do desmatamento e da produção industrial de material de construção civil no planeta.

Depois de estarem devidamente justificados quanto a utilidade pública do programa, os jovens foram atrás de arquitetos e engenheiros para receber informações de como poderiam executar o projeto.

Falaram também sobre viabilidade e os custos envolvidos. Eles queriam a confirmação de que a população poderia realmente ser atendida.

Outra preocupação deles era com relação a segurança e neste sentido,  eles obtiveram a sugestão de uma engenheira eletricista. Ela deu a ideia de acrescentar chips nos blocos para que cada um deles tenha informações sobre a data e local de criação, bem como durabilidade.

O que será levado em consideração

Tanto o protótipo como as pesquisas prévias devem estar na ponta da língua porque no dia da competição, a equipe de Mato Grosso passará por uma bancada oral e o seu produto será testado.

Serão levados em consideração dos seguintes critérios resistência, proporção, segurança e utilidade pública.

O professor responsável pela equipe é Carlos Eduardo Juliani. Ele trabalha há 20 anos com robótica e tecnologia e está realizado com o trabalhos dos estudantes.

“É gratificante ver jovens formando e transformando ideias incríveis em soluções para o mundo”.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSenado acata sugestão popular que libera uso medicinal da cannabis
Próximo artigoAdolescente deixa carta de despedida dizendo ter sido estuprada por três colegas

O LIVRE ADS