Kombucha ganha fábrica artesanal em Mato Grosso

Bebida de origem milenar que melhora a imunidade do organismo ganha cada vez mais adeptos

Médicos e nutricionistas têm acrescentado uma nova aliada a quem está em busca de uma vida mais saudável ou na luta pela perda de peso. É a kombucha, uma bebida milenar, mas que somente agora começa a conquistar os brasileiros e o mercado nacional. Ela é uma bebida gaseificada à base de chá verde ou preto natural e fermentada por uma colônia de bactérias e leveduras do bem.

Essa colônia de bactérias é conhecida como scoby, sigla para “symbiotic culture of bacteria and yeast”, ou, em português, “cultura simbiótica de bactérias e leveduras”. A colônia de kombucha é responsável pelo processo de fermentação da bebida, o que concede a ela um gosto ácido e gaseificado.

O resultado é uma bebida zero açúcar, gasosa e ligeiramente ácida, que dependendo do tempo de fermentação pode variar a acidez, sendo que, quanto maior o tempo de fermentação, maior a acidez.

Entre seus benefícios destacam-se a regulação da função intestinal, a melhorar a digestão e o fortalecimento da imunidade, já que seu funcionamento ajuda a manter o equilíbrio da microbiota, como é chamada a flora intestinal.

A bebida tem se tornado cada vez mais popular porque não é mais necessário fazer o cultivo em casa, que muitas vezes não dá certo por ser necessário bastante rigor. Agora pode-se ter acesso a komabucha em lojas de produtos naturais, restaurantes e supermercados. Isto foi possível a partir do surgimento, nos últimos anos, de fábricas artesanais cuja produção só cresce.

“Começamos em dezembro do ano passado, fabricando mil garrafas por mês, e em apenas quatro meses já triplicamos nossa produção. Temos pedidos de outros municípios de Mato Grosso e até outros estados”, explica Tarcísio Marchiori, presidente da Jong Kombucha, uma fábrica artesanal de Cuiabá.

Tarcísio explica que embora seja possível cultivar kombuchas em casa, o processo é complicado e delicado. “A colônia precisa de extrema atenção, principalmente em relação a higiene. Além disso, entender o ponto de fermentação ideal também exige técnica”.

Outro fator que tem tornado a bebida popular, além dos benefícios para a saúde, foi a adição de sabores, com a mescla de frutas e especiarias. Entre outros sabores, pode-se encontrar a kombucha com sabor framboesa, beterraba com gengibre e uva, baunilha, limão com gengibre e a HOP, que foi criada exclusivamente aqui na nossa capital (sabor de lúpulo de mandarina, lembra uma cerveja), entre outros.

A gaseificação e os sabores fazem com que a kombucha fique parecida com um frisante, mas com a vantagem de não conter açúcar e álcool.  “A adição de açúcar é necessária na produção da bebida, que serve de ‘alimento’ para as bactérias e leveduras realizarem todo o processo, mas a maioria do açúcar é convertido em outros componentes durante a fermentação”, explica Tarcísio.

Foi justamente a busca por uma alternativa saudável ao refrigerante que fez com que a médica-nutróloga Dieynne Saugo não só tenha começado a consumir a kombucha, como a receitar para seus clientes. “Muitos dos clientes dizem que uma das partes mais difíceis de uma dieta ou mudança de hábito e parar de beber refrigerantes, então passei a indica-la como alternativa aos refrigerantes e aos chás. Eu mesmo faço uso dela uma vez ao dia”.

A médica conta que para as mulheres a bebida tem um excelente resultado, já que elas têm mais propensão a constipação (prisão de ventre) que os homens, devido a fatores hormonais.

“A bebida serve como probiótico, ajudando a regularizar a função intestinal e ajuda a melhorar a digestão, além reforçar as defesas do organismo. Ela não é um remédio, mas um auxiliar alimentar na adoção de uma vida saudável”, explica a nutróloga.

Especialistas também apontam que a bebida auxilia no alívio de dores de cabeça, redução do nível de colesterol e de inflamações. Também é uma ótima fonte de antioxidantes e vitaminas do complexo B. Estudos experimentais apontam que a kombucha pode ajudar na produção de hormônios relacionados à saciedade, leptina e insulina, agindo na redução da fome e controlando a taxa de açúcar no sangue. Os especialistas também alertam que é preciso consumir a bebida de forma moderada, ideal um uso constante e uma média de 300 ml ao dia.

 

Origem

Ninguém sabe ao certo a origem da kombucha, mas quase todas as evidências apontam para a China há mais de dois mil anos. De lá, a bebida teria se espalhado pelo mundo pela ‘rota da seda’. O chá é um produto ancestral que inicialmente era utilizado como erva medicinal e só mais tarde se tornou popular como bebida. Numa das histórias mais conhecidas, o imperador Qin Shi Huangdi, da Dinastia Qin (221a.C. a 206 a.C) teria sido o primeiro a produzir e beber a kombucha. Mas, uma lenda conta ela teria surgido no ano de 414, na Ásia, e teria esse nome devido a um médico, chamado Kombu, que levou a bebida da Coreia para o Japão, para ajudar no tratamento de saúde do imperador japonês.

No início do século 20, já bem conhecida na Ásia e na Europa Oriental, a kombucha começou a ganhar espaço no Ocidente. Em 1960, investigadores suíços relataram que seu consumo era tão benéfico quanto o de iogurte. A partir daí, a popularidade da bebida passou a crescer.

(Informações da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorApós oito anos, VLT já consumiu R$ 180 milhões e continua sem uso
Próximo artigoCovid-19: Japão investe em vacina

O LIVRE ADS