Justiça congela R$ 27 milhões de envolvidos na Operação Bereré

Ednilson Aguiar/O Livre

Deputado estadual Eduardo Botelho

O desembargador José Zuquim Nogueira, responsável no Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJ-MT) pela operação Bereré, decretou o sequestro de até R$ 27 milhões dos alvos da ação. Entre os nomes envolvidos, estão o presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), Eduardo Botelho (PSB) e o deputado Mauro Savi (PSB).

A decisão foi tomada na tarde da última quarta-feira (28), a pedido do Ministério Público Estadual de Mato Grosso (MPE-MT). De acordo com Zuquim, a medida é amparada na necessidade “garantir o ressarcimento de eventuais prejuízos causados ao Erário ou, ainda, o resguardo do bem para a destinação legal cabível”, disse o juiz, em trecho da decisão.

A decisão visa garantir o ressarcimento de eventuais prejuízos causados ao Erário ou, ainda, o resguardo do bem para a destinação legal cabível, disse o juiz na decisão

A operação visa ao combate de uma suposta organização criminosa que montou esquemas de desvio de recursos no Detran-MT durante o período em que Teodoro Lopes era presidente da autarquia. Teodoro, o Doia, delatou o suposto esquema que envolvia o superfaturamento na compra de lacres para placas no órgão que, posteriormente, eram redistribuídos entre agentes do esquema. 

Além dos deputados, também foram alvo do congelamento de bens o condenado no escândalo do Mensalão Pedro Henry Net, Marcelo da Costa e Silva, Antônio Eduardo da Costa e Silva, Claudemir Pereira dos Santos, Dauton Luiz Santos Vasconcellos, Roque Anildo Reinheimer, Merison Marcos Amaro, José Henrique Ferreira Gonçalves, José Ferreira Gonçalves Neto, Gladis Polia Reinheimer, Janaina Pollà Reinhéimer e Juliana Polia Reinheimer.

Além deles, as empresas FDL – Serviços de Registro Cadastro, Informatização e .Certificação’ de’ Documentos Ltda., atualmente EIG – Mercados, Santos Treinamento e Capacitação de Pessoal Ltda., além da União Transporte e Turismo Ltda – essa última de propriedade da família Botelho.

Na sua decisão, Zuquim afirma que os requisitos para a medida são a presença de indícios de responsabilidade e a indicação dos bens sobre os quais deverá recair a medida. “Estes foram devidamente demonstrados pelo Ministério Publico”, conclui o magistrado. 

Operacão 

O desembargador José Zuquim Nogueira negou, na época da operação, o pedido do Ministério Público Estadual (MPE-MT) que solicitava a prisão temporária do presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), Eduardo Botelho (PSB), do deputado Mauro Savi (PSB), do ex-deputado Pedro Henry e também do filho do ex-secretário de Estado Eder Moraes Dias.

Teodoro delatou o suposto esquema que envolvia o superfaturamento na compra de lacres para placas no órgão que, posteriormente, eram redistribuídos entre agentes do esquema. Dentro desse esquema, uma parte do lucro iria para o deputado Mauro Savi, ainda no governo de Silval Barbosa (MDB). No governo de Pedro Taques (PSDB) o esquema teria sido descontinuado. 

A operação foi realizada quase três anos após a delação ter sido iniciada. Botelho, como informou o LIVRE, atribuiu ao governador Pedro Taques a culpa pela operação. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorNovo filme de Tarantino revela título e confirma Brad Pitt e DiCaprio no elenco
Próximo artigoNove universidades podem ter “curso contra golpe”