Indústria quer congelar carga tributária em MT para estimular setor em 2021

A redução de incentivos fiscais é temida pelo setor, que alerta: o impacto será no preço do produto oferecido ao consumidor

Os rumos da economia no Brasil e no mundo ainda são incertos. Diversos setores ainda patinam em função da pandemia. E diante desse cenário, em Mato Grosso, representantes do setor já se articulam para garantir a sobrevivência das empresas: querem o congelamento da carga tributária.

A preocupação é com a possível redução dos incentivos fiscais previstos no Programa de Desenvolvimento Industrial e Comercial, o Prodeic, que incide diretamente no ICMS, considerado elevado no Estado.

“Não há margem para aumento de impostos nesse momento. A manutenção das alíquotas implica um aumento no preço final que é repassado ao consumidor. É isso que justamente nos preocupa e que queremos evitar”, afirma o presidente da Federação das Indústrias de Mato Grosso (Fiemt), Gustavo Oliveira.

Para a instituição, Mato Grosso tem condições de manter a alíquota do benefício. Uma reunião marcada para a próxima sexta-feira (18) deve debater o tema – e bater o martelo – sobre a situação com o governo do Estado.

“Otimismo cauteloso”

Espera-se que a economia brasileira volte a crescer em 2021. Para Mato Grosso, a expectativa é a mesma. Após queda em 2020, a estimativa da Confederação Nacional das Indústrias (CNI) é que o PIB registre expansão de 4%. No Estado, o crescimento pode até ser maior, mas não linear entre os setores.

Algumas áreas, porém, devem demorar mais a se recompor após a crise. Segundo Oliveira, os setores de eventos, bares e restaurantes e a rede hoteleira não têm uma expectativa de melhora aguda nos próximos meses.

LEIA TAMBÉM

“Estamos com um otimismo cauteloso. A economia global passa por profundas transformações e aqui não é diferente. As incertezas continuam elevadas e só diminuirão com a imunização [contra a covid-19] da maior parcela da população”, diz o presidente.

Em Mato Grosso, a projeção positiva deve ser impactada pelo agronegócio, o câmbio e as exportações.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorIPVA só em março
Próximo artigoBoom de abertura de empresas pode ter sido puxado por demissões na pandemia