Indígena dá à luz em carro em movimento na BR-163

Este é o 18º parto registrado no trecho sob concessão desde a chegada da Rota do Oeste em Mato Grosso e o segundo envolvendo indígena

(Foto: Rota do Oeste)

O parto de uma indígena da Aldeia Santana foi auxiliado pela equipe de resgate da Rota do Oeste, que atua na base de atendimento em Nobres, na tarde dessa terça-feira (18). A criança, um menino, chegou cheia de saúde e recebeu os primeiros cuidados médicos ainda na BR-163/364. Este é o 18º parto registrado no trecho sob concessão desde a chegada da empresa em Mato Grosso e o segundo envolvendo indígena.

Há seis anos atuando como socorrista na Rota do Oeste, Gilberto Souza relata que esta é a segunda vez que participa do nascimento de uma criança na BR e relata que é uma experiência muito gratificante poder auxiliar as famílias em um momento tão importante.

“Assisti o parto dos meus cinco filhos, mas nunca pude ajudar de fato. Na rodovia, é diferente. Participamos ativamente cuidando, cortando o cordão umbilical, amparando a família”, disse.          .

O registro dessa terça-feira ocorreu por volta das 15h, quando uma caminhonete do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) parou na base localizada no km 583 da BR-364, em Nobres, solicitando apoio à mulher que acabava de dar à luz ainda dentro do veículo. Segundo Souza, o motorista relatou que foi até a aldeia para trocar o plantão e encontrou a indígena J.R. em trabalho de parto.

“Ele disse que no meio do caminho a criança nasceu e foi orientado pela acompanhante que estava no carro a parar na Rota do Oeste para recebimento de auxílio médico, pois demoraria muito para chegar no hospital”, comenta o socorrista.

Ao chegar na base, a mulher contou com o apoio do socorrista Gilberto, da enfermeira Rênia Ferreira e do motorista da ambulância Huembert Francisco para os procedimentos cabíveis para o momento: cortar o cordão umbilical, realizar manobras necessárias para saída da placenta e uma avaliação do bebê.

“Um menino que chegou perfeito, com saúde e cabeludo”, afirma o socorrista da Rota do Oeste. Na sequência, mãe, pai e bebê foram levados para o Hospital Laura de Vicuña para uma avaliação mais detalhada.

“A mãe estava tranquila, o pai estava com o coração um pouco acelerado, o que é normal. Mas o importante é que estavam todos bem”, finaliza Souza.

Parto na BR

O primeiro parto de indígena realizado pela Rota do Oeste completará seis anos em 18 de fevereiro. O bebê indígena da etnia Kayabi nasceu na Base de Serviço de Atendimento ao Usuário (SAU) da Concessionária Rota do Oeste, que fica no perímetro urbano de Sinop, na BR-163. A mãe estava com 6,5 meses de gestação e o bebê nasceu presando 1,3 kg.

À época, a mãe da criança tinha 16 anos. Ela havia chegado de avião ao aeroporto de Santa Carmem e seguia para Sinop em uma ambulância da prefeitura, acompanhada por uma técnica de enfermagem da Fundação Nacional do Índio (Funai). Com dores, a ambulância parou na base para solicitar apoio para o parto, que foi realizado pela equipe da Concessionária. A mãe e o bebê são da Aldeia Moitará, que fica no Parque Indígena do Xingu.

(Da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCuiabá: “sobram” mais de 700 vagas em escolas para crianças de 0 a 3 anos
Próximo artigoPF deflagra operação contra grupo acusado de fraudar licitação do INSS