Câmara de Cuiabá gastou R$ 2,5 milhões a mais no ano da pandemia

Gastos mensais da Câmara mantiveram o mesmo patamar, mesmo após a mudança para o trabalho remoto

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre )

A Câmara de Cuiabá gastou mais na pandemia do que no ano anterior à crise sanitária. Mesmo com sessões virtuais e trabalho remoto para os servidores, o gasto foi R$ 2,5 milhões maior do que em 2019. 

O LIVRE comparou os pagamentos declarados pela presidência da Câmara ao Tribunal de Contas do Estado (TCE) em 2019 e 2020. No primeiro ano, foi informado o pagamento de R$ 54.691.921,96, entre janeiro e dezembro. 

O ano de 2019 transcorreu com trabalhos normais na Câmara dos Vereadores, com sessão presencial, em plenário, duas vezes por semana. As atividades continuaram com essa programação até o dia 20 de março de 2020. 

Nessa data, uma comissão especial criada pela presidência para analisar as orientações do Ministério e de secretarias de Saúde recomendou que as atividades presenciais fossem suspensas, para evitar a difusão do novo coronavírus.   

Essa recomendação continua com efeito parcial até hoje. Os vereadores decidiram retomar as sessões presenciais somente em agosto, com decisão individual de comparecer ou não em plenário. 

Porém, os gastos não acompanharam a redução a quase zero das atividades presenciais. A Câmara informou que teve despesa de R$ 57.194.071,18 no ano passado, levando em conta somente o dinheiro que saiu para pagamento de serviços contratados.

O aumento de despesa foi de 4,5% 

Despesas mensais 

De 2018 para 2019, período em que sequer havia presságio de pandemia e paralisação das atividades, os gastos da Câmara de Cuiabá cresceram com uma variação semelhante. Passou de R$ 51.034.043,76 para R$ 54.691.921,96, alta de 7,1%. 

No ano passado, as despesas por mês da Câmara não tiveram variação. Em março, que teve as atividades presenciais interrompidas na reta final do mês, a Câmara pagou R$ 4,53 milhões por serviços contratados. 

Em abril e maio, as despesas ficaram em R$ 4,59 milhões e R$ 4,33 milhões, respectivamente. Em junho, os pagamentos subiram para R$ 5,28 milhões. E nos meses seguintes, até novembro, variaram entre R$ 4 milhões e R$ 4,6 milhões. 

O pico das despesas ocorreu em dezembro, quando os pagamentos saltaram para R$ 7,9 milhões. A média é bem próxima aos meses de 2019, com despesas na maior parte do tempo na casa dos R$ 4 milhões. 

Trabalho remoto 

A presidência da Câmara de Cuiabá anunciou no dia 23 de março de 2020 que passaria a adotar o trabalho remoto para todos os servidores. Na nota publicada no site oficial, a medida é justificada pelo decreto municipal que estabeleceu o isolamento social. 

A Câmara também resolveu encurtar o rito das atividades plenárias, transferidas para o modelo virtual. O número de dias com sessão caiu para um, e elas ficaram restritas “apenas ao caráter deliberativo e apenas a fase da ordem do dia, destinada a apreciação urgente de matérias que não possa aguardar a realização das sessões presenciais”. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorFeira na Bolívia
Próximo artigoCampanha alerta que família tem palavra final na doação de órgãos