Fraude na educação: ex-secretário de MT é condenado a devolver R$ 9,7 milhões

Carlos Carlão do Nascimento e servidores públicos são acusados de fraude em licitação para favorecer empresa privada

Juíza da Vara Especializada em Ação Civil Pública e Popular, Célia Reina Vidotti negou pedido do ex-secretário de Estado de Educação, Carlos Carlão do Nascimento, e manteve a obrigatoriedade de devolver R$ 9,7 milhões aos cofres públicos.

A decisão foi publicada nesta sexta-feira (25) no Diário da Justiça.

A magistrada rejeitou o pedido da defesa que alegava excesso na fase de execução da sentença, o que levaria a uma redução do valor de R$ 9,7 milhões.

Também seguem condenados o ex-presidente da Comissão de Licitação da Secretaria de Educação, Adilson Moreira da Silva, e a empresa Jowen Assessoria Pedagógica LTDA.

Os fatos que culminaram na condenação por improbidade administrativa remotam ao período de 2001 a 2003, abrangendo a gestão do ex-governador Dante de Oliveira (já falecido).

Em 2014, o ex-secretário Carlos Carlão do Nascimento foi condenado a devolver R$ 1,7 milhão pela suspeita de participação em fraudes para contratação de empresa em licitação pública.

A empresa supostamente beneficiada com a fraude deveria ser especializada em serviços de consultoria educacional, capacitação pedagógica, elaboração e fornecimento de livros textos correlatos para o ensino médio da rede pública do Estado.

O Ministério Público de Mato Grosso, autor da ação, afirmou que os réus teriam “forjado todo o processo licitatório, a fim de dilapidar o patrimônio público, beneficiando terceiros e, quem sabe, a si próprios”.

Valores atualizados

No ano passado, todos os réus foram devidamente intimados a pagar de forma individualizada a quantia de R$ 9,7 milhões, no prazo de 15 dias. O valor inclui juros e correções.

Para a defesa do ex-secretário, o ressarcimento do dano é obrigação solidária entre os três acusados, de forma que o montante devido para cada um seria de R$ 2,2 milhões e não o valor de R$ 9,7 milhões.

Porém, a juíza Célia Vidotti afirmou que a condenação referente ao ressarcimento do dano se trata de obrigação solidária, portanto, é totalmente descabida a divisão do valor. Ao contrário, trata-se de obrigação exigível, integralmente, de cada um dos requeridos.

“Isto importa afirmar que, havendo pluralidade de devedores, como é o caso, o credor pode cobrar o valor integral da dívida de todos, pois, em se tratando de condenação por ato de improbidade administrativa, todos são responsáveis pela totalidade da obrigação, consoante o disposto nos arts. 3º, 5º e 12, inciso I, da Lei n.º 8.429/92”, disse.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorNetflix Brasil anuncia aumento de preços e assinatura pode chegar a R$ 55,90
Próximo artigoHá 11 anos, médica brasileira doa enxovais a mulheres grávidas humildes