Em tempos de coronavírus, médico se divide entre hospitais e tira-dúvidas no Facebook

Ele orienta se é preciso ou não ir ao pronto-atendimento: "Não te cobrarei nada. Não saia de casa"

Mesmo realizando atendimento em vários pontos da cidade, o médico abriu espaço na agenda para atuar voluntariamente

Em tempos de ansiedade e medo, o espírito colaborativo tem tomado vulto na capital mato-grossense e impulsionado ações afirmativas que fazem a diferença, inspiram novas iniciativas e merecem ser noticiadas.

Preocupado com as aglomerações, superlotação dos pronto-atendimentos e notícias falsas que têm recebido por mensagens de aplicativo, o médico Leanndro Mansur Bumlai está tirando dúvidas via mensagem no Facebook.

O especialista em infectologia pelo Hospital Júlio Müller, da UFMT, utilizou o seu perfil para divulgar o atendimento. Logo que seu post começou a ser compartilhado, pipocaram contatos. Era meia-noite quando ele já falava, ao mesmo tempo, com mais de dez pessoas.

“Atenção, sou médico infectologista. Se você tiver sintomas sugestivos do novo coronavírus, como febre e tosse seca, fique à vontade para falar comigo por aqui”.

E assim ele orienta sobre a necessidade de ir ou não ao pronto-atendimento. “Não te cobrarei nada. Não saia de casa. Mesmo doente. Só saia se tiver sintomas graves”, diz ele em seu alerta.

O médico de 29 anos, que fez residência no hospital totalmente voltado ao SUS, estava habituado a receber pessoas que eram orientadas mesmo sem ter consulta agendada.

Além disso, ele tem se preocupado com o volume de notícias falsas que têm recebido em aplicativos de mensagens.

Áudios trazem informações falsas

“Hoje, por exemplo, recebi um áudio sobre dois óbitos no Júlio Müller e 11 casos internados. Isso é mentira. Não tem nenhum caso lá e nenhuma confirmação ainda”.

Segundo ele, notícias como essa fazem alarde e impulsionam pessoas a ir ao pronto-atendimento para pedir exame de coronavírus.

“Mas muitas delas estão bem. No máximo com uma tosse seca e irritativa, sem sinais de alarme que é falta de ar, febre alta que não melhora com medicações”.

Segundo Bumlai, se o paciente tem sugestivos de coronavírus – mas está bem -, não precisa urgentemente procurar o pronto-atendimento para realizar o exame, e sim ficar em casa.

“Hidratar-se, tomar remédios para febre e realizar a higiene correta das mãos com água e sabão, álcool gel 70% ou hipoclorito de sódio (água sanitária). Uma solução com 1 porção de água sanitária para 9 porções de água limpa”.

Casos graves são priorizados

E ressalta: “um pedaço de papel com exame positivo não muda em nada a evolução da doença, para as pessoas que estão bem”.

Como não há tratamento especifico, ele recomenda apenas repouso e isolamento associado à higiene.

“Devido à falta de kit para realizar o exame em nosso Estado, devemos priorizar o exame para os pacientes que estão graves, que irão internar”.

Nada de se automedicar

E ele aproveita para alertar sobre a intenção de compra do remédio da malária (hidroxicloroquina associado ao antibiótico azitromicina).

“É promissor, mas faltam análises ainda. Esta combinação de remédios aumenta – e muito – o risco de arritmias cardíacas. Usaremos apenas em pacientes extremamente graves”.

Para quem não apresenta nenhum sintoma e estiver em contato com algum paciente que teve diagnóstico de coronavírus, deve isolar-se em casa por sete dias e observar se os sintomas surgirem.

“Se não tiver sintomas, não deverá realizar o exame para o coronavírus de modo algum, pois não há necessidade”.

Com uma rotina intensa, ele trabalha na enfermaria da Santa Casa, na Unidade Coronariana do Hospital Municipal, na UTI do Hospital Geral e Pronto-Atendimento do Hospital Santa Rosa e ainda arrumou tempo para o atendimento virtual.

Ele se adianta a uma semana que pode ser de muita apreensão, pois é possível que os casos confirmados sejam mais numerosos com as confirmações sendo realizadas no Lacen, em Cuiabá.

“Depois do post, já recebi centenas de notificações e neste momento que falo com você estou falando com mais dez pessoas. Uma pessoa, em especial, tem tuberculose e me pergunta sobre os riscos. Neste caso, é alto o risco. Estou orientando”.

Com poucas horas de campanha, a colega infectologista, a médica Janaína da Cruz Mendonça, compartilhou o mesmo post para fazer o mesmo: esclarecer dúvidas sobre os sintomas do coronavírus.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

1 COMENTÁRIO

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSob impacto do Coronavírus, padaria tradicional de Cuiabá faz demissão em massa
Próximo artigoEconomia pede socorro

O LIVRE ADS