Desigualdade da renda do trabalho caiu em 2021, aponta Ipea

Dados do levantamento sugerem, no entanto, que essa pode não ser exatamente uma boa notícia. Entenda o motivo

(Foto: Freepik)

A desigualdade de renda entre os trabalhadores brasileiros reduziu em 2021. O dado é de um estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgado nesta segunda-feira (14). Mas esse resultado não é, exatamente, um bom sinal.

Segundo o levantamento, entre os motivos dessa queda está a saída de trabalhadores menos qualificados do mercado de trabalho no início da pandemia. Além disso, houve deterioração dos rendimentos habituais médios dos trabalhadores.

Em outras palavras, os desempregados do início da pandemia voltaram ao mercado – ainda que de maneira informal -, mas ganhando menos. Assim como aqueles que conseguiram se manter trabalhando.

A queda nos rendimentos habituais médios foi de 10,7% quando se compara o quarto trimestre de 2021 com o mesmo período de 2020.

O levantamento também mostra que o rendimento habitual médio foi se reduzindo à medida em que os trabalhadores informais e por conta-própria foram retornando ao mercado de trabalho.

A renda habitual média saiu de um pico de R$ 2.857, no trimestre encerrado em julho de 2020, para R$ 2.447, no último trimestre de 2021.

Já renda efetiva apresentou consecutivas quedas a partir do trimestre iniciado em abril de 2020. Os últimos resultados mostram que, no último trimestre de 2021, a renda efetiva caiu 8,5%, se aproximando ainda mais da queda da renda habitual.

Sem renda

A proporção de domicílios sem renda do trabalho que, no primeiro trimestre de 2020, era de 22,35%, teve seu ápice no terceiro trimestre do mesmo ano (28,04%).

Essa relação apresentou uma estabilidade entre o quarto trimestre de 2020 e o primeiro trimestre de 2021, reforçando como havia sido lenta a recuperação do nível de ocupação aos patamares anteriores a pandemia e, no segundo trimestre de 2021, caiu para 24,5%.

Os dados do quarto trimestre (22,2%) revelam que essa relação já se aproxima dos patamares de 2019, que era cerca de 21,5%.

O estudo mostra também que foram os domicílios de renda mais baixa que apresentaram maior crescimento na renda domiciliar habitual ao longo do ano de 2020, o que reflete a maior proporção de trabalhadores informais nessas faixas de renda, enquanto que foram os domicílios de renda alta que sofreram a maior redução proporcional na renda domiciliar do trabalho ao longo de 2021.

Já os dados do quarto trimestre de 2021 informam que foram novamente os domicílios de renda mais baixa os que obtiveram uma maior queda da renda habitual (3,16%), enquanto as duas faixas de renda mais altas foram as que apresentaram uma menor queda, com 1,7% e 1,27% respectivamente.

A nota ‘Retrato dos rendimentos e horas trabalhadas durante a pandemia’ tomou como base os resultados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad Contínua e Pnad Covid), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anterior7 Criptomoedas Promissoras do Mercado Cripto para 2022
Próximo artigoPrimeira mulher presidente da Hungria é contra aborto e pró-família