Deputados cobram mudanças na Petrobrás para segurar preço de combustíveis

Economistas já avaliam que a gasolina deve virar o ano casa dos R$ 8 o litro para o consumidor final

(Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil)

Deputados federais cobram mudanças na política de preços da Petrobrás, para baixar o preço para os derivados do petróleo ao consumidor final, como a gasolina e o gás de cozinha. 

Os parlamentares avaliam que a explicação feita pelo presidente da Petrobrás, Joaquim Silva e Luna, não foi convincente em expor que ações da estatal têm fraco efeito no cenário real de preços. 

“As explicações da Petrobrás não ficaram claras, muito pelo contrário. Em 2011, quando o litro da gasolina estava em R$ 2,09 era cobrada a mesma alíquota do ICMS que é cobrada hoje. Então, foi a mudança da política de preços da Petrobrás que o preço chegar ao que está hoje, perto de R$ 7, praticamente insustentável para a população”, afirmou deputada Rosa Neide (PT). 

Balanço do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) aponta que a gasolina acumula alta de 31,1% entre janeiro e agosto, contra uma inflação geral de 5,7%, medida pelo Índice Nacional de Preço ao Consumidor Amplo (IPCA). 

O diesel e gás de cozinha (GLP) também concentram altas de 28% e 23,8%, respectivamente. 

LEIA TAMBÉM

No caso dos combustíveis, Joaquim Silva e Luna afirmou ontem (14) em reunião na comissão geral da Câmara Federal que a Petrobrás corresponde a 34% do preço nas bombas. O questionamento de parlamentares, no entanto, é sobre a política de paridade internacional (PPI), em vigor de 2016. 

Pelo modelo, a estatal revisa os preços do petróleo para cima para se equiparar ao mercado internacional. Essa regra expôs os preços praticados no Brasil às variações internacionais. 

Aumento da capacidade para o equilíbrio 

Deputados federais entendem que as altas consecutivas dos preços para o gás de cozinha e os combustíveis de automóveis geraram aumento de lucro para a Petrobrás, mas esse volume maior de recurso não estaria sendo usado para equilibrar o mercado. 

Somente no segundo trimestre, a Petrobrás faturou R$ 43 bilhões. Outro apontamento feito foi a capacidade de jazida que o Brasil possui e de refinamento do petróleo. Esses fatores são apontados como favoráveis para o controle dos preços no mercado brasileiro. 

“A capacidade de refino diminui a dependência do refinamento internacional e faz aumenta a possibilidade de segurar os preços num patamar mais real, que seja mais justo. Isso precisa ser pensado pelos Estados e pela União”, afirmou o deputado Leonardo Albuquerque (SD), líder da bancada mato-grossense no Congresso. 

Economistas já avaliam que a gasolina deve virar o ano casa dos R$ 8 o litro para o consumidor final. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorA maturidade está entre o 8 e o 80
Próximo artigoApós separação da mãe, adolescente relata ter sofrido abusos sexuais do padrasto por três anos