Denúncias de violência contra criança caem 70% em Cuiabá durante a pandemia

Conselheiro tutelar é enfático: casos continuam ocorrendo e até em maior volume, só não são denunciados

Imagem ilustrativa (Foto: Divulgação)

O número de denúncias de casos de violência contra criança e adolescentes caiu cerca de 70% durante o período de isolamento social em Cuiabá. Uma porcentagem que para o conselheiro tutelar Oilson Souza tem um significado bastante claro: a subnotificação.

De acordo com ele, em média cada Conselho Tutelar da Capital registra 130 casos de violência por mês. Desde que a quarentena necessária para controlar a disseminação do novo coronavírus teve início, todavia, há plantões em que não há uma ligação sequer.

Um fato anormal, na avaliação do conselheiro, que esperava, na verdade, um aumento nos registros.

“Durante a pandemia, a violência dentro de casa pode aumentar. Estamos muito preocupados, pois os números de denúncias caíram. Devido a necessidade do isolamento social, os casos acontecem e o medo toma conta”, ele ressalta.

Defensora pública da infância em Várzea Grande (Região Metropolitana de Cuiabá), Cleide Regina Ribeiro do Nascimento, lembra que grande parte dos casos de violência contra crianças são descoberto nas escolas, por professores ou mesmo os amigos da vítima.

Sem aulas presenciais desde que os primeiros casos de covid-19 foram notificados em Mato Grosso, ela avalia como “normal” que o número de denúncias tenha caído drasticamente.

“Se a criança não vai à escola, é muito mais difícil que o núcleo familiar, que está praticando essa violência, denuncie. Durante esse período todo, para se ter uma ideia, só chegaram ao meu conhecimento três casos. É bem menos do que havia antes em, digamos, épocas normais”, ela afirmou em entrevista ao LIVRE.

VEJA TAMBÉM

Disque denúncia

Para tentar reverter a situação, o Conselho Tutelar de Cuiabá, juntamente com a Rede de Proteção a Crianças e Adolescentes, iniciou uma campanha e vai distribuir cartazes informativos pelos bairros da Capital.

A ideia é disseminar, principalmente, os números por meio dos quais é possível fazer denúncias anônimas. Os principais são o Disque Denúncia dos Direitos Humanos (100) e o da Polícia Militar (190). Ambos funcionam 24 horas por dia.

Mas também é possível entrar em contato com o Conselhos Tutelares, Ouvidorias do Ministério Público, Defensoria Pública ou ir direto a uma Delegacia Especializada nos Direitos das Crianças e Adolescentes.

Conforme a Prefeitura de Cuiabá, as unidades de Saúde e os Centros de Referência de Assistência Social (Cras) também podem receber esse tipo de denúncia.

“A recomendação é para os vizinhos. Por favor, se ouvirem algum barulho estranho ou algum choro repetitivo, denuncie!”, pede a defensora.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPego em flagrante, homem tenta matar marido de sua amante
Próximo artigoPM flagra 800 kg de carne bovina em carroceria de caminhonete e apreende produto

O LIVRE ADS