Defensores renunciam à lista tríplice e concordam que Governador receba nome do mais votado

    O defensor público Clodoaldo Queiroz foi o mais votado com 110 indicações e deverá ser o escolhido pelo governador Pedro Taques

    Os defensores públicos que ficaram em segundo e terceiro lugares em número de votos na eleição para ocupar o cargo de defensor público-geral da Defensoria Pública de Mato Grosso, Caio Zumioti e Edson Weschter, renunciaram oficialmente em terem seus nomes na lista tríplice encaminhada ao governador Pedro Taques.

    A eleição foi realizada na sexta-feira (9) e o defensor público Clodoaldo Queiroz foi o mais votado com 110 indicações. Zumioti teve 83 votos e Weschter, 44. A lei orgânica da Defensoria Pública de Mato Grosso, a Lei Complementar 146/2003, estabelece em seu artigo 7º que o governador do Estado tem a prerrogativa de escolher o próximo condutor do órgão, a partir de uma lista tríplice. E somente no caso de não escolher, após 15 dias do recebimento dos nomes, o mais votado assume.

    Porém, os defensores informam que assumiram compromisso interno e verbal com os colegas, de renunciarem formalmente de terem seus nomes na lista, caso não fossem os mais votados.

    “O compromisso foi esse e vou manter minha palavra. Agradeço muito os votos que recebi e avalio que tivemos uma disputa democrática, acirrada, na qual evoluímos muito como Instituição ao manter o nível das discussões. Desejo sorte e garra ao Clodoaldo e me coloco à disposição para fazer a transição”, disse Zumioti, que é segundo subdefensor público-geral na atual gestão.

    Weschter afirmou que considera Queiroz o novo defensor público-geral para 2019 e 2020, desde sexta-feira passada. “Ele foi o escolhido pela categoria, agradeço os meus votos e desejo que ele faça uma gestão dentro do que esperam os membros e a sociedade mato-grossense”, disse.

    O defensor público-geral, Silvio Jéferson de Santana, informou que em conversas com o colega mais votado já se colocou à disposição para recebê-lo, tão logo a nomeação seja feita, para que conheça a situação administrativa da Instituição. “Estamos à disposição para auxiliar no processo de transição para que ela seja a mais tranquila possível”, disse.

    Após nomeação, Queiroz administrará a Instituição que em 2018 teve orçamento de R$ 126 milhões e é composta por 191 defensores públicos, na ativa, seis aposentados e está em 47 comarcas, das 79 existentes. Os defensores contam com apoio de 500 servidores e 232 estagiários.

    “Estou feliz com a forma como o processo eleitoral foi conduzido, com quatro candidatos bem intencionados, que debateram propostas, todos preocupados com o futuro da Instituição e com a melhoria do atendimento à população. E agora vamos aguardar a decisão do governador”, disse Queiroz.

    A eleição interna contou com apoio do Tribunal Regional Eleitoral que cedeu uma urna para que o processo fosse eletrônico e ágil e o tramite foi conduzido por uma comissão interna, composta pelos defensores Tânia Matos, como presidente, Flávio Peixoto, como membro e Jucelina Ribeiro como secretária. “Todo o processo fui muito tranquilo e rápido e correu dentro do esperado”, avaliou Tânia.

    *Com assessoria

    Use este espaço apenas para a comunicação de erros





    Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

    DEIXE SEU COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Artigo anteriorSTJ manda soltar Joesley e executivos da J&F presos na Operação Capitu
    Próximo artigoMinistério pede imunização contra febre amarela antes do verão