Crianças e adolescentes estão mais expostos à violência do que à covid-19

Em Mato Grosso, estupros e mortes violentas fizeram mais vítimas entre 0 e 20 anos do que a contaminação viral

(Foto: Kat Jayne / Pexels)

A discussão acerca de crianças e adolescentes e a contaminação com a covid-19 se arrasta desde o início da pandemia. Contudo, dados do Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2021 e do Painel Covid-19 da Secretaria de Estado de Saúde mostram que o público infantojuvenil foi mais vitimado fatalmente pela violência do que pelo vírus em 2020.

(Fonte: O LIVRE)

Com relação aos casos de estupro e estupro de vulnerável, 1.454 casos foram registrados no ano passado, conforme o Anuário. Isso indica uma média diária de três casos e tendo as crianças de 0 a 11 anos como o grupo mais afetado, com 721 ocorrências. Em seguida, aparecem as vítimas de 12 a 17 anos, somando mais 669 notificações à conta.

(Foto: O LIVRE)

O levantamento traz ainda os registros de mortes violentas intencionais de bebês a jovens de 19 anos. Entre 2019 e 2020 foram registrados 212 óbitos. Aqui, a média é de 1 registro a cada 2 dias.

(Foto: O LIVRE)

Já com relação à covid-19, dentre as 4.526 mortes contabilizadas até 31 de dezembro de 2020, 41 registros são de bebês a jovens de 20 anos. Esse total indica um óbito a cada 10 dias.

Dois pesos, duas medidas

Diante desses dados, o médico e escritor Alessandro Loiola, avalia que as crianças e adolescentes estão sujeitas a um risco 30 vezes maior de serem vítimas de estupro em comparação ao risco de serem vítimas de covid-19.

Com relação às mortes violentas, o risco é 5 vezes maior do que morrer por ter adoecido com o vírus pandêmico.

“O governo de Mato Grosso alguma vez fechou escolas e cerceou a livre circulação de crianças por estar preocupado com mortes por violência ou estupro?”, indaga Loiola. “Será que crianças estupradas ou assassinadas valem menos que crianças com gripe?”, conclui.

LEIA TAMBÉM

O que diz o Estado?

A Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp) esclarece que a maioria dos crimes de abusos, violência sexual e morte de crianças e adolescentes ocorre dentro do ambiente familiar, fora da esfera pública na qual o Estado não tem domínio.

“Quanto ao fechamento das escolas, o decreto se fez necessário para evitar a disseminação do vírus”, afirma em nota.

As restrições não ocorreram apenas em Mato Grosso, mas no mundo todo, argumenta a Secretaria de Estado de Educação (Seduc). Os alunos da rede estadual de ensino de Mato Grosso ficaram longe das salas de aula por 1 ano e 4 meses devido à pandemia da covid-19.

O retorno na modalidade híbrida ocorreu no dia 3 de agosto deste ano, após mais de seis meses de planejamento e preparação das escolas para garantir todas as medidas de biossegurança.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anterior“A gente não pode aceitar passivamente isso”, diz Bolsonaro sobre prisões arbitrárias do STF
Próximo artigoCovid: diário da vacina #76