Caso Isabele: Justiça nega pedido de júri popular a pais de atiradora

Ministério Público aditou denúncia criminal com base em informações apresentadas ao poder Judiciário

Caso Isabele
(Foto: arquivo pessoal)

O juiz da 8ª Vara Criminal de Cuiabá, Alexandre Elias Filho, rejeitou o pedido do Ministério Público Estadual (MPE) para acrescentar novos fatos na ação penal em que o empresário Marcelo Martins Cetari, e sua esposa, Gaby Soares de Oliveira, e assim responsabilizá-los por homicídio doloso (quando há intenção de matar), o que levaria a um julgamento em júri popular.

O Ministério Público pode recorrer ao Tribunal de Justiça com recurso em sentido estrito. No entanto, a ação penal está em segredo de Justiça, o que limitou as informações apuradas pela reportagem.

A filha do casal, a menor B.O.C, está apreendida desde janeiro deste ano cumprindo medida sócio-educativa pelo assassinato da menor Isabele Ramos Guimarães, morta com um tiro no rosto no dia 12 de julho de 2020, no condomínio de luxo Alphaville em Cuiabá.

A pena a ser cumprida por infração análoga a homicídio doloso é de 3 anos, com a possibilidade de revisão da pena a cada seis meses, conforme fixado pelo ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente).

Acréscimo de novos fatos

O aditamento da denúncia criminal foi protocolado no dia 31 de maio pelo promotor de Justiça Jaime Romaquelli.

Inicialmente, em denúncia feita pelo MPE em novembro de 2020, o casal respondia – entre outros crimes – por homicídio culposo, quando não há intenção de matar.

Porém, novos fatos foram esclarecidos no Judiciário, o que culminou na pena da menor por ato infracional análogo a homicídio qualificado (doloso), com pena de três anos.

Na avaliação do promotor de Justiça, os pais também deveriam responder pelo mesmo crime.

“Os denunciados, portanto, concorreram, de qualquer forma, para o evento delituoso (infracional para a adolescente – criminoso para os denunciados) cometido dolosamente. Não há concorrência culposa para crime doloso, nem o contrário”, afirmou Romaquelli.

Negligência e omissão

O promotor Jaime Romaquelli ainda citou no aditamento da denúncia que a negligência do casal Cestari ao lidar com armas de fogo na própria residência, facilitaram a morte da menor Isabele Guimarães Ramos.Toda a família, composta por quatro pessoas, praticavam tiros esportivos.

Romaquelli ainda se fundamentou no teor do inquérito policial para sustentar a versão de que no dia 12 de julho de 2020, dia do crime, em diversas ocasiões, as armas circularam pela residência e até passaram pelas mãos dos adolescentes que ali estavam.

“ […] Ao invés da adoção desses cuidados, promoveram, de forma absolutamente desvigiada, a inserção dos adolescentes no mundo das armas e da prática de tiros, permitindo-lhes franco acesso e manuseio de armas de grosso calibre muito além dos stands de tiro – como no interior da casa”, relatou o promotor.

Atualmente no Brasil, a legislação permite o uso de armas por adolescentes apenas em estandes de tiro.

“Os gravíssimos atos omissivos por parte dos denunciados são penalmente relevantes, pois eles tinham o dever de agir, por decorrência de obrigação imposta por lei, que confere ao pais, ou responsável legal, o dever de cuidado, proteção e vigilância em relação aos filhos”, descreveu Romaquelli.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorFavorecimento em Matupá
Próximo artigoCovid-19: Anvisa recebe solicitação de uso emergencial de novo medicamento