Casal é preso por torturar e matar filho de um ano e 9 meses

Criança foi agredida com um carregador de celular, tinha marcas de lesões sucessivas e ainda há suspeita de abuso sexual

Um casal foi preso em flagrante por torturar e matar o filho, uma criança de apenas um ano e nove meses, no município de Cáceres (212 km de Cuiabá). O homem de 21 e a mulher de 20 anos foram ouvidos em interrogatório na Delegacia Especializada da Mulher, Criança e Idoso de Cáceres (DEDM) e responderão pelo crime de homicídio qualificado mediante tortura e impossibilidade de defesa da vítima, agravado por se tratar de um menor de 14 anos.

O pequeno Enzo Gabriel Fontaneli deu entrada na tarde desta sexta-feira (23), na Unidade de Pronto Atendimento(UPA) de Cáceres, levado pela mãe. A criança tinha diversas marcas de lesões pelo corpo e, conforme a equipe médica, ela já não apresentava sinais vitais. Ainda assim, a equipe tentou a reanimação do garoto, mas sem sucesso.

A Polícia Militar foi acionada pela UPA e encaminhou a mãe da criança ao plantão da Delegacia de Cáceres. Ela informou aos policiais que morava em uma comunidade na região rural do município e alegou que na noite de quinta-feira (22), o filho teria caído de uma mureta e batido a cabeça.

Após a queda, os pais teriam dado banho no menino, que se queixou de dores pelo corpo. Contudo, os dois acusados ao invés de buscarem socorro, acalmaram o garoto e o colocaram para dormir.

Na manhã de sexta-feira, o menino estava fraco não respondia aos chamados, o que levou a mãe a procurar ajuda na unidade de saúde.

Tortura e lesões

A médica responsável pelo atendimento à criança informou à polícia que Enzo já chegou sem vida à unidade de saúde e, nos exames físicos realizados, ficaram evidentes diversas marcas pelo corpo da criança, como hematomas – inclusive nos olhos – e cicatrizes, entre elas a que mostra a marca de um carregador de celular, e nódulos na cabeça.

Durante interrogatório na DEDM, a mãe acabou confessando à delegada Judá Maali Marcondes que viu a criança sendo agredida pelo pai. O homem não gostou de ouvir o pequeno Enzo chorar e se irritou com o filho. Ela disse que depois das agressões, a criança ficou desacordada, sendo então levada à UPA.

A apuração da Polícia Civil constatou que a criança passou por intenso sofrimento físico por um longo período, com diversas agressões causadas por objetos, como um fio de carregador de aparelho celular.

Além disso, o menino recebeu um golpe no tórax e vomitou. Com isso, o pai tornou a agredi-lo, diante do choro do pequeno Enzo de apenas um ano e nove meses.

Após as diligências determinadas pela delegada, o pai da criança foi localizado na chácara onde mora, na Comunidade Taquaral, e preso em flagrante. Na casa, as equipes da DEDM e da Delegacia Especializada do Adolescente de Cáceres localizaram uma arma de fogo.

Acusações

A delegada Judá Marcondes explicou que a mãe se omitiu no dever de cuidar e proteger o filho das agressões e por isso responderá também pelo homicídio qualificado. “Essa criança foi torturada, sofreu agressões seguidas, que resultaram em sua morte”, pontuou a delegada.

Em depoimento na delegacia, o pai, de 21 anos, confessou as agressões contra o filho. Um laudo preliminar apontou indícios de que a criança tenha sido abusada sexualmente.

Os dois responderão pelo homicídio qualificado mediante tortura e recurso que impossibilitou a defesa, com agravante pelo fato da vítima ser menor de 14 anos. Além disso, também podem responder por estupro de vulnerável.

Após os procedimentos na Delegacia da Mulher de Cáceres, o casal será submetido a exame de corpo de delito e depois encaminhado para as respectivas unidades prisionais, onde permanecerão à disposição da Justiça.

A delegada representou ao Poder Judiciário pela conversão do flagrante em prisão preventiva do casal. O homem foi autuado em flagrante também por posse ilegal de arma de fogo.

(Informações da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSituação de bares e restaurantes melhora, mas maioria ainda trabalha com prejuízo
Próximo artigoConstitucionalidade em questão: FEEF é prorrogada mesmo tendo legalidade duvidosa