Cargas milionárias: roubos e furtos de defensivos agrícolas cresce 131% em MT

Em Sorriso, o Sindicato Rural já chegou a oferecer R$ 5 mil em recompensa para quem denunciar os criminosos

(Foto: Divulgação)

Considerado um dos “celeiros do mundo”, o Brasil é um dos maiores produtores agrícolas. A perspectiva é de que ainda nesta década o país assuma a primeira posição. Para garantir a produtividade, o uso de defensivos agrícolas deve aumentar. Com isso, os roubos e furtos dessas cargas também devem seguir a tendência.

A maior incidência desses crimes está em Estados produtores, a exemplo de Mato Grosso. Entre 2017 e 2019, o registro de roubos e furtos de defensivos aumentou 131% no Estado.

No primeiro ano, 63 ocorrências de roubos e furtos de agroquímicos entraram para a estatística. Já em 2019, foram 146 casos registrados. O número só caiu na pandemia. Em  2020, 110 boletins foram feitos.

As quadrilhas costumam invadir fazendas armadas e mantém os funcionários como reféns. Para cometer o crime, usam caminhonetes roubadas. Em regiões produtoras, essa é uma das principais demandas de segurança pública.

LEIA TAMBÉM

Em Sorriso, município que lidera o ranking de produção agrícola no país, os produtores já chegaram a pagar recompensa de R$ 5 mil para quem denunciar os criminosos.

A preocupação também é realidade para a Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO). Segundo o delegado Vitor Hugo Bruzulato Teixeira, além de coibir os roubos e furtos, a atenção da delegacia especializada tem se voltado para o crime de receptação.

“Temos que combater quem está recebendo: seja o grupo de empresários ou as pessoas que estejam receptando essa carga roubada”, pondera.

Mesma rota do tráfico

Segundo o Instituto de Desenvolvimento Econômico e Social de Fronteiras (IDESF), a cadeia mercadológica dos defensivos ilegais é semelhante à rede estabelecida para o tráfico de drogas.

“É comum que os contrabandistas e falsificadores usem a mesma logística utilizada no transporte de drogas, porém a sofisticação das quadrilhas de agroquímicos se mostra cada dia mais elaborada, com transportes terrestres, aéreos, fluviais e marítimos”, explica .

Foto: PJC-MT

A China está entre os principais fornecedores das substâncias que entram ilegalmente no Brasil. O defensivo ilegal atravessa os oceanos geralmente de navio. As embarcações atracam no Chile e seguem para o Paraguai, Bolívia e Uruguai.

Depois os produtos entram no Brasil pelo Rio Grande do Sul identificado como desinfetante, inseticida, herbicida e artigos para limpeza, por exemplo.

A estimativa é de que o comércio ilegal dos agroquímicos represente quase ¼ do mercado. O cálculo é da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP), com base em dados da safra 2015/2016.

À época, a demanda total líquida dos produtos foi de R$ 33,4 bilhões. Desses, R$ 7,8 bilhões representam a fatia introduzida ilegalmente no país.

Crime hediondo

Desde 2015, tramita na Câmara Federal um projeto que inclui no rol de crimes hediondos o roubo, furto, receptação e contrabando de defensivos agrícolas. A proposta é de autoria do deputado Jerônimo Goergen (PP-RS).

Em 2018, a Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania votou pela inconstitucionalidade do projeto.

Foto: Agência Brasil

Implicação na saúde

Chegando a alcançar cifras milionárias, os defensivos são cargas valiosas para as quadrilhas de falsificadores e de contrabando. Além do problema de segurança pública, os crimes acendem também um alerta sobre saúde e meio ambiente.

Ainda mais relevante do que o aspecto econômico, é o rastro social que o contrabando deixa.

Descartados inadequadamente, os recipientes dos produtos ilegais contaminam o solo e as águas. Em alguns casos, as embalagens dos produtos contrabandeados são reutilizadas sem critério, o que coloca em risco a saúde de pessoas e animais.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorUnimed Cuiabá aumenta em 62% número de leitos de UTI
Próximo artigoMT terá dez dias corridos de feriado e lockdown