Câmara Federal quer voltar a debater plano nacional antiterrorismo

Projeto de lei, cuja tramitação foi paralisada pela pandemia, se inspira em projeto de lei apresentado pelo presidente Jair Bolsonaro quando parlamentar

A Câmara Federal desengavetou o projeto de lei que trata do plano nacional antiterrorismo e deve voltar a debatê-lo na próxima semana. O projeto de autoria do deputado federal Vitor Hugo (GO), líder do PSL na Câmara, se baseia numa proposta do presidente Jair Bolsonaro na época de parlamentar.

O foco é estabelecer medidas que poderão ser acionadas pelo Brasil contra grupos ou indivíduos avaliados como promotores do terrorismo. As ações passariam pela coordenação de instituições federais, a serem criadas, como a Política Nacional Contraterrorista (PNC), Autoridade Nacional Contraterrorista (ANC) e o Sistema Nacional Contraterrorista (SNC).

“Não é hora de discutir esse assunto. Estamos vendo pessoas morrerem por causa da covid-19, passando fome por causa da pandemia. Precisamos discutir a criação de auxílio para essas pessoas, a abertura de leitos e o andamento da vacinação”, criticou o coordenador da bancada de Mato Grosso, deputado federal Leonardo Albuquerque (SD-MT).

O parlamentar mato-grossense diz não ser contra o debate para criação de um plano antiterrorismo. Ele vê no país algumas características do que pode ser classificado como terrorismo, principalmente ligado ao narcotráfico.

“Quando chegar o momento, acho que o projeto tem propostas válidas de serem discutidas. Por exemplo, ações de mutilações, assassinatos e ações padronizadas, digamos assim, daquilo que chamamos de terrorismo. Mas esse não é o momento de discutir o assunto, não é urgente”, pontuou.

O projeto de lei estabelece “cadastro nacional de infraestruturas críticas, serviços públicos essenciais e recursos-chave potencialmente vulneráveis em todo território brasileiro”. O deputado Vitor Hugo diz no texto que esses serviços são alvos preferenciais do terrismo.

A justificação apresentada pelo parlamentar para a tramitação e aprovação do plano antiterrorismo seriam ameaças de ataque terrorista na época da posse do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em 2019.

A normativa passou por algumas etapas de tramitação no ano passado, mas foi paralisada por causa da pandemia. Deputados da esquerda dizem que o plano seria uma desculpa para perseguir adversários políticos.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorComo casais divorciados podem declarar despesas com filhos no IR
Próximo artigoEstudantes de MT fazem abaixo-assinado online para suspender retorno presencial