Atestado de óbito confirma problema cardíaco como causa da morte de professora 

Médica Tânia de Meneses e Macedo atesta que Euzenil Almeida de Oliveira sofreu choque cardiogênico, o que teria ocasionado o falecimento 

Atestado de óbito assinado pela médica Tânia de Meneses e Macedo deixa claro que a causa da morte da professora Euzenil Almeida de Oliveira, 49 anos, na última segunda-feira (7), foi em decorrência de uma parada cardíaca. No documento, a médica denomina o caso como choque cardiogênico, além de arritmia cardíaca.

O médico Marcelo Sandrin esclarece que o choque cardiogênico ocorre por falência aguda da bomba do coração, além de outros fatores. “É um caso que pode ser revertido, mas o índice de morte em emergência como esta é alto. Depende muito de cada caso, que pode deixar apenas sequelas ou levar à morte. Esse tipo de choque é sempre grave”, define o médico. 

Jorge Luiz Valbrim é sobrinho da professora Euzenil e contesta fatos noticiados em torno da morte da tia. Segundo ele, no momento em que ela começou a passar mal não estava mais participando de uma live para esclarecer sobre o processo de atribuição de aulas para o ano letivo de 2022 na rede Estadual de Ensino.

“Na sexta-feira ela sentiu dificuldade para respirar e a levamos para fazer exames na UPA do Bairro Verdão, em Cuiabá. Minha tia deu entrada logo após às 13 horas e permaneceu em observação até por volta das 17 horas, quando a pressão arterial foi normalizada e recebeu alta. Já em casa, por volta das 20 horas, a pressão voltou a subir e ela sofreu um desmaio. Voltamos à UPA e passou por eletrocardiograma, que não constatou nenhum problema”, conta Jorge. 

Ele conta que só na madrugada de sábado, já quase amanhecendo, que a pressão arterial voltou a se normalizar.

“No sábado ela estava bem e até fomos a uma festa de aniversário. Foi minha tia quem fez, inclusive, o bolo da festa. Ela parecia bem. Só na manhã de segunda-feira que o quadro voltou a se agravar, com ela reclamando de dor no peito. Um novo eletro foi feito e logo a dor aumentou e veio a óbito por volta das 13 horas”.

O sobrinho reforça que ela não ficou três dias internada como noticiado. Tampouco, passou mal durante uma suposta live. “Até então, ninguém da imprensa havia nos procurado para saber a verdade”, lamentou Jorge Luiz. 

Amigos lamentam

 O professor de Matemática, Adnilso Augusto, da Escola Estadual Filogonio Correa, no Distrito de Nossa Senhora da Guia, em Cuiabá, também lamentou a morte da colega de profissão. Para o educador, que trabalhou com Euzenil nos anos letivos de 2016 e 2017 e se tornou um dos seus melhores amigos, é lamentável a exploração por parte da imprensa em torno do ocorrido.

Layane Schultz, é diretora da Escola Estadual Filogonio Correa e, além de também ter trabalhado com Euzenil Almeida, a teve como coorientadora da sua tese de mestrado. A diretora diz que é irracional tentar encontrar uma relação entre o processo de atribuição de aulas, que é puramente técnico e segue a ritos específicos, com a causa da morte da amiga. “Foi uma fatalidade, certamente”. 

Sacerdócio a Educação 

“Euzenil era uma pessoa cheia de sonhos e que ajudava muita gente”, revela Adnilso Augusto. O professor lembra que a colega era muito dedicada à profissão. Ela foi professora interina na rede Estadual de Ensino entre maio de 2009 e dezembro de 2021, em momentos alternados quando exerceu o magistério também em outras instituições de ensino como as escolas Liceu Cuiabano, Marcelina de Campos, Padre Ernestro, Clênia Rosalina de Souza e Francisco Ferreira Mendes.

“Foi professora substituta na Universidade Federal de Mato Grosso e também no Instituto Federal de Mato Grosso. Além disso, foi bolsista PNPD do programa de pós-graduação em Física da UFMT”, contou. 

“Infelizmente não teremos nesse ano letivo a professora Euzenil”, completou a professora Sirlene Santino, que também era amiga e confidente. “A maior tristeza é ver notícias inverídicas sobre uma pessoa que não está mais aqui para esclarecer”.

Euzenil Almeida de Oliveira era solteira, não tinha filhos e dedicou a sua vida à Educação. Cursou Licenciatura Plena em Física pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) de 1995 a 1999 e concluiu o Mestrado e Doutorado em Física pela Universidade Federal do Ceará (UFC).

(Informações da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorJudiciário suspende lei que permite mineração em reserva legal
Próximo artigoImpacto de R$ 538 milhões