Agricultores esperam produzir 126 toneladas de cacau em Colniza

Melhorias genéticas têm ajudado a aumentar a produtividade das lavouras

(Foto: Arquivo)

As melhorias genéticas têm ajudado a aumentar a produtividade de lavouras em todo o Brasil. Em Colniza (1.065 km de Cuiabá), os agricultores têm investido no uso de materiais enxertados e clones com esse intuito. A previsão, com o uso da tecnologia, é que sejam produzidas 126 toneladas da amêndoa no município.

Ao todo, 26 agricultores familiares estão envolvidos na atividade. O número deve subir para 70 ainda este ano.

Atualmente, Colniza tem uma área de 57 hectares com produtividade de 900 kg por hectare. O número também deve aumentar e chegar a 84 hectares plantados.

LEIA TAMBÉM

Segundo especialistas, as lavouras formadas por mudas enxertadas são mais uniformes, produtivas, precoces e de fácil realização dos tratos culturais.

As mudas são fornecidas pela Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac), órgão ligado ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

(Foto: Empaer)

Após o plantio, a primeira colheita do cacau é feita três anos depois. A previsão é de colher até 1.000 kg/hectare, em 2023. A estimativa, no quinto ano de cultivo, ou seja, em 2025, é colher de 1.500 kg de cacau/hectare.

A produção pode ser de 126 toneladas de amêndoa, em Colniza. O produto chega a ser comercializado em Rondônia.

No estado, o cultivo do cacau ocupa uma área de 880 hectares, com uma produtividade média de 660 quilos por hectare. Os dados são de 2017, quando 647 toneladas foram produzidas.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorTrailer da 3ª temporada de Westworld mostra humanos contra robôs; assista
Próximo artigoTrump critica Oscar de Parasita e distribuidora responde

O LIVRE ADS