Agricultores, ambientalistas e indígenas se unem para recuperar matas ciliares em MT

Os trabalhos são desenvolvidos no entorno de rios e cursos d’águas na região do Xingu

Para fazer o reflorestamento, o ISA criou uma técnica de manejo inspirada na prática indígena: a Muvuca (Tui Anandi/ISA)

Com conhecimento tradicional de indígenas, participação de ambientalistas e agricultores com conhecimento tecnológico, áreas desmatadas no interior do Estado estão sendo reflorestadas. A preocupação com a recuperação das matas ciliares é o que tem motivado os trabalhos do Instituto Socioambiental (ISA) em Mato Grosso.

Embora haja uma lei que há 40 anos decreta a preservação de áreas nos entornos de rios e cursos d’água, a normativa nem sempre foi cumprida. Agora, produtores do Estado, preocupados, trabalham na restauração dessas áreas.

Para isso, contam com o apoio do ISA que, com ajuda de produtores rurais, indígenas, organizações de ensino, institutos de pesquisa e poder público, em 12 anos, recuperou 300 mil hectares de áreas desmatadas na região do Xingu. O que representa menos de 2% do que precisa ser recuperado.

Para o fazendeiro, Henrique Gonçalves, esse trabalho é muito importante, uma vez que, vai refletir não só na região do Xingu mato-grossense, mas no Pará e na Amazônia. Ele ainda afirma que tira o sustento da terra, por isso, tem o dever de protegê-la.

Técnica indígena

Para fazer o reflorestamento, o ISA criou uma técnica de manejo inspirada na prática indígena. A mistura de sementes – recebidas pela rede de Sementes do Xingu – chamada Muvuca, já recebeu mais de 300 quilos de sementes de várias árvores típica da região.

Com máquinas usadas no plantio de soja, as sementes de jatobá, carvoeiro, ipê, e mais 80 espécies, são semeadas nas áreas desmatadas. Contudo, para se notar os resultados desse trabalho, precisa-se de ao menos três décadas, como é o caso do jatobá.

Na coleta dessas sementes há um grupo de 600 pessoas, dentre indígenas e agricultores que, chegam a pegar mais de 150 espécies de sementes.

(Com Revista Globo Rural)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorA grande lição da maternidade
Próximo artigoSemáforos para pedestres em SP mostram bonecos homoafetivos