Advogado de SP tenta barrar na Justiça compra milionária de Iphones pelo MPMT

Na ação, advogado justifica que gasto seria imoral, irresponsável e negligente

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Neste sábado (05), o advogado Rubens Alberto Gatti Nunes, morador de São Paulo, ingressou com uma ação popular na Vara Especializada de Ação Civil Pública e Ação Popular para barrar a compra milionária que pode ser feita pelo Ministério Público de Mato Grosso.

O órgão pretende gastar o valor R$ 2,2 milhões para comprar 400 smartphones, do tipo Iphone e Samsung Galaxy de última geração, para distribuir entre os promotores.

Na ação, o advogado, que é vereador eleito por aquele município pelo partido Patriotas, sustenta que o gasto não deve ser mantido por não ser desmotivado ao fim que se propõe. O documento também afirma que a compra é descabida.

“O ato pretendido trata-se, em verdade, de um gasto desarrazoado e desmotivado ao fim que supostamente se propõem”, diz em um dos trechos do documento.

O advogado ainda afirma, no processo, que o ato de efetivar a compra milionária dos Iphones seria algo imoral, irresponsável e negligente.

Não há menos sentido em se manter a despesa ora combatida. Trata-se, na realidade, de um ato imoral, irresponsável e negligente”, diz em outro trecho documento.

A ação popular é uma ação de natureza constitucional, que pode ser ajuizada por qualquer cidadão perante o Poder Judiciário para anular qualquer ato lesivo ao patrimônio público, à moralidade administrativa, ao meio ambiente e ao patrimônio histórico e cultural.

 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

2 COMENTÁRIOS

  1. Como guardiões da Lei, sabem muito bem que ferem a Constituição Federal ao demandar uma aquisição dessas e foi exatamente por isso que causou tamanha indignação entre todos.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorTJ mantém Luiz Antônio Pôssas afastado do cargo de secretário
Próximo artigoMais um secretário com covid