Adolescente denuncia motorista de app por tentativa de estupro e lesão corporal

Ele chegou a colocar mais dois homens no carro, mas ela conseguiu fugir e pedir ajuda em um bar; caso foi registrado em Cuiabá

Imagem ilustrativa

Uma adolescente de 17 anos passou por momentos de terror no início da madrugada desta segunda-feira (17), ao sofrer uma tentativa de estupro em um veículo de aplicativo.

O caso aconteceu no Bairro Vista Alegre, em Cuiabá, pouco depois de meia-noite.

Conforme o boletim de ocorrência, registrado pelo advogado da vítima, a adolescente estava na casa de amigos no Bairro Parque Cuiabá e, para ir embora para casa, no Bairro Tijucal, chamou um veículo pelo aplicativo 99 Pop.

Um homem foi buscá-la em um Renault Logan. Porém, no meio do caminho, disse à adolescente que iria finalizar a corrida, que ela iria pagar, e que ele iria buscar dois amigos antes de continuar.

A menina não aceitou, mas ele não acatou o pedido. Ela, então, tentou descer do carro, mas o motorista, segundo o boletim de ocorrência, tentou segurá-la pelo braço.

Ajuda de mototaxista

Dois homens entraram no carro. A menina conseguiu sair correndo e pediu ajuda em um bar.

Um mototaxista que estava no local ajudou a adolescente e a levou até a casa de uma prima, que mora perto do local onde tudo aconteceu, no Bairro Vista Alegre.

A adolescente ficou muito abalada e com o braço esquerdo e as costas lesionados devido ao momento que o motorista a segurou pelo braço.

O advogado da vítima, Akio Augusto Maluf Sasaki, conseguiu dados como a placa, o nome completo e a foto do motorista e entregou à polícia, pedindo providências urgentes das autoridades.

O caso foi registrado como lesão corporal e tentativa de estupro e será investigado pela Delegacia Especializada de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente (Deddica).

O LIVRE produziu um manual para você saber como agir, caso tenha sido vítima ou testemunha de um crime sexual:

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

3 COMENTÁRIOS

  1. O site “O Livre” publica estas matérias sobre estupro e ao mesmo tempo divulga na matéria anúncios de sites pornográficos de quadrinhos no meio da matéria. Isso é incompreensível e inadmissível.

    • Helcio, o que você está falando se chama “cookies”. Ele tem a função de, armazenar seus interesses e ficar lhe propagando posteriormente, ou seja, se não é você que está buscando conteúdo adulto, pode ser outra pessoa com quem você compartilha a internet ou o dispositivo. Verifique seu histórico e tire suas conclusões. Eu por exemplo, estava pesquisando sobre notebook em outro site nada haver com o “O Livre”, e aqui estão me aparecendo diversas propagandas sobre notebooks. Procure saber mais sobre isso.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMercado do Porto: feirantes são remanejados e reclamam do transtorno da obra
Próximo artigoAMM vai ao Supremo para defender a manutenção do Fethab