AMM vai ao Supremo para defender a manutenção do Fethab

Associação dos Municípios já ingressou com uma ação e agora espera conseguir audiência com Gilmar Mendes

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

A Associação Mato-grossense dos Municípios (AMM) também entrou na briga judicial sobre a constitucionalidade ou não das cobranças que abastecem o Fundo Estadual de Transporte e Habitação (Fethab).

Na sexta-feira (14), a entidade ingressou com uma ação amicus curiae, junto ao Supremo Tribunal Federal (STF), contrapondo o que vem alegando a Sociedade Rural Brasileira (SRB), que pediu a suspenção das cobranças, argumentando que o dinheiro não estaria sendo investido onde deve: a recuperação e manutenção de estradas.

Presidente da AMM, Neurilan Fraga explica que, além da ação, solicitou uma audiência com o ministro Gilmar Mendes, relator do caso no Supremo. A ideia é reforçar os argumentos apresentados pela associação.

Também na sexta-feira, a Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) anunciou que criaria uma comissão de deputados para tentar uma audiência com o ministro, tendo o mesmo objetivo.

Segundo Neurilan, suspender o Fethab causaria um enorme prejuízo ao Estado e a todos os municípios. “Se os produtores estão transportando sua produção agrícola, é porque os prefeitos estão recuperando e mantendo as estradas não pavimentadas, além das pontes e bueiros em todas as regiões do Estado”, ele sustenta.

A recuperação de estradas municipais é feita com parte do Fethab recolhido a partir do consumo de óleo diesel. São cobrados R$ 0,21 por litro do combustível. Do total arrecadado, 17,5% são deduzidos para a Receita Corrente Líquida e o restante é dividido meio a meio entre governo do Estado e prefeituras.

Já nas estradas estaduais é usado o dinheiro do Fethab oriundo da contribuição do agronegócio (soja, milho, algodão, boi e madeira). Neste caso, os municípios não recebem parcela nenhuma do valor arrecadado.

Em janeiro, o governo de Mato Grosso repassou aos municípios R$ 12,5 milhões.

(Com assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAdolescente denuncia motorista de app por tentativa de estupro e lesão corporal
Próximo artigoPlano de economia verde

O LIVRE ADS