A nova lei de licitações e seus reflexos no direito do trabalho

A nova lei de licitações e seus reflexos no direito do trabalho

Carla Reita Faria Leal

Sabrina Ripoli Bianchi

 

Recentemente foi publicada a nova – e tão aguardada – lei de licitações que trouxe consigo alterações no universo do direito administrativo, com reflexos em outros ramos do direito.

Esta lei veio para tentar simplificar a atuação dos profissionais que trabalham com o tema, uma vez que reuniu um grande número de dispositivos legais que tratavam sobre as licitações e os contratos administrativos.

Desde os anos 90, a Administração Pública vem trilhando o caminho de transferir várias de suas atividades para a iniciativa privada. Assim, o ente administrativo, em vez de executar determinadas atividades diretamente como, por exemplo, através de seu corpo de servidores, passa a firmar contratos com empresas, terceirizando a execução dessas atividades.

Dessa forma, as empresas que prestam esse tipo de serviço disponibilizam mão de obra para a execução de determinada demanda da Administração, ficando ao encargo desta o pagamento do valor da contratação e a correta fiscalização do serviço prestado. É o que ocorre com os contratos de mão de obra terceirizada para limpeza, conservação, manutenção e vigilância, por exemplo.

Uma das alterações apresentadas pela nova lei de licitações refere-se exatamente ao papel do ente administrativo frente a esses contratos de serviços contínuos, estabelecendo que somente a empresa contratada, a terceirizada, é responsável pelos encargos trabalhistas e previdenciários de seus funcionários. Entretanto, reconhece expressamente a responsabilidade solidária da Administração Pública com relação aos encargos previdenciários e a responsabilidade subsidiária com relação às parcelas trabalhistas, desde que comprovada que houve falha na fiscalização do cumprimento das obrigações da terceirizada para com seus funcionários.

Isso significa dizer que, caso a empresa contratada não pague os direitos trabalhistas de seus funcionários e não possua condições financeiras para tanto, a Administração Pública será obrigada a fazê-lo, desde que fique provada que ela não cumpriu com seu papel de fiscalizar a execução daquele contrato.

O que o legislador fez foi reconhecer o que já estava pacificado pelo Tribunal Superior do Trabalho, por meio de sua Súmula 331, especialmente com a redação dada após uma decisão do Supremo Tribunal Federal que foi chamado para julgar a constitucionalidade de um dispositivo que versava exatamente sobre essa temática da antiga lei de licitações, vez que nesta não havia menção expressa à responsabilidade da Administração com tais obrigações.

À época o STF entendeu que a Administração Pública poderia sim ser responsabilizada pelas obrigações trabalhistas e previdenciárias das empresas terceirizadas se ficasse demonstrada a sua conduta omissiva com relação ao seu dever de fiscalizar o contrato, afirmando ainda que o mero inadimplemento das obrigações por parte da contratada não era suficiente para a configuração de tal responsabilidade.

Outra inovação apresentada pela lei diz respeito às formas de como essa fiscalização deve ocorrer, o que sempre foi uma questão bastante controversa, já que a lei anterior não deixava claro o que o fiscal do contrato deveria de fato fazer para não incorrer em alguma falha que pudesse, posteriormente, responsabilizar o ente administrativo por aquele contrato inadimplido.

Assim, estabelece a nova lei que a Administração Pública poderá exigir caução, fiança bancária ou contratação de seguro-garantia que cubra as verbas rescisórias não pagas pela contratada; poderá também condicionar o pagamento da empresa à comprovação de quitação das obrigações trabalhistas vencidas relativas ao contrato; além de estar autorizada a efetuar diretamente aos empregados o pagamento das verbas trabalhistas diante do inadimplemento da empresa, deduzindo tais valores do pagamento devido à contratada, dentre outros mecanismos.

Esperamos que as alterações resultem numa maior proteção aos direitos dos trabalhadores, assim como em uma maior segurança à Administração, pois, afinal, quando a Administração é condenada a arcar com valores não pagos pela terceirizada, é a própria sociedade que está sendo prejudicada.

 

*Carla Reita Faria Leal e Sabrina Ripoli Bianchi são membros do grupo de pesquisa sobre o meio ambiente do trabalho da UFMT, o GPMAT.

 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorFachin vota novamente pela anulação de condenações de Lula
Próximo artigoTJ nega pedido para anular processos que apontam desvios milionários em MT