Zé Domingos apresenta atestado médico e remarca depoimento na Bereré

O deputado deve ser ouvido apenas na próxima semana

(Foto: Ednilson Aguiar/ O livre)

O deputado estadual José Domingos Fraga Filho (PSD) adiou seu depoimento ao Gaeco (Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado) na Operação Bereré. O parlamentar deveria ser ouvido na manhã desta quarta-feira (05), mas apresentou um atestado médico.

O deputado deve ser ouvido apenas na próxima semana. A investigada Marilci Malheiros Fernandes de Souza Costa e Silva também apresentou atestado médico e seu depoimento foi remarcado para a semana que vem.

Nesta semana, o Gaeco (Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado) colhe depoimentos de investigados na segunda fase da Operação Bereré. Ao menos R$ 27,7 milhões teriam sido desviados em um contrato do Departamento Estadual de Trânsito de Mato Grosso (Detran-MT) com a empresa a EIG Mercados Ltda, antiga FDL Serviços de Registro, Cadastro, Informatização e Certificação de Documentos Ltda.

O desembargador José Zuquim Nogueira autorizou a investigação contra cinco deputados estaduais: Wilson Santos (PSDB), José Domingos Fraga (PSD), Romoaldo Júnior (MDB), Ondanir Bortolini, o Nininho (PSD) e Baiano Filho (PSDB). Na primeira fase, os deputados Mauro Savi (DEM) e o presidente da Assembleia Legislativa, Eduardo Botelho (DEM), já eram investigados.

Saiba mais: 

Wilson Santos, que deve prestar depoimento na tarde desta quinta-feira (05), afirmou que a acusação de sua participação no esquema é “surreal e ininteligente”.

O deputado Nininho disse ser vítima do esquema.

Baiano Filho não foi encontrado e teve seu depoimento adiado.

Romoaldo Júnior disse nunca ter visto o cheque sacado por um assessor, supostamente, em seu nome.

A operação se baseou em depoimentos do ex-presidente do Detran-MT Teodoro Lopes, conhecido como Dóia. O contrato era referente a um serviço de gravame, o registro de financiamento dos veículos de todo o Estado. No acordo, 90% dos valores recebidos dos contribuintes ficavam com a empresa e 10% ficavam com o Detran-MT.

O dinheiro desviado da FDL teria sido lavado por meio de parentes e amigos dos envolvidos e da Santos Treinamentos, uma empresa de fachada.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorZeca pede suspensão do Projeto de Lei do RDC em Mato Grosso
Próximo artigoJustiça Federal aceita 22ª denúncia contra Sérgio Cabral

O LIVRE ADS