Vida de cão: serviço de petdrive ganha força na pandemia

Brinquedos, petiscos e atenção com os clientes são os diferenciais do atendimento

Acerola é uma cliente cativa e famosa. Ela é uma estrela do Instagram, mas ainda se sente insegura de tomar banho no petshop sozinha. Precisa de alguém que a acompanhe para sentir-se confiante. E, é aí que entra Bruni Volcof, 35, com o serviço exclusivo de petdrive (@petdrive).

Um transporte só para ela, com todos os recursos do que se pode chamar de “limousine canina”. Brinquedos, petiscos e muitos mimos que transformam a viagem em uma atração.

Em tempos de pandemia, a demanda aumentou muito porque os tutores nem sempre se sentem seguros em sair de casa e não podem deixar de lado os cuidados com os bichos.

Além da estrutura exclusiva, porque vai um animal de cada vez, o serviço conta com algo que não se pode precificar: o amor e o cuidado. Nos casos de vacinação ou consultas médica, por exemplo, Bruno acompanha o processo e leva para os donos todas as recomendações, como se fosse um porta-voz do veterinário.

Maurílio Alves se despedindo de Acerola, que irá ao petshop tomar banho (Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Maurílio Alves, tutor de Acerola, conta que conheceu o serviço em um grupo de criadores de Border Collie e achou interessante, porque não tinha confiança em entregar a pet para qualquer um.

O que pesou na decisão dele de contratar o serviço foi a atenção e, principalmente, o acompanhamento. Afinal de contas, Acerola foi desejada por anos e encontrada após uma busca incessante em canis de todo o Brasil.

Perfil do cliente

Idosos que não podem sair em tempos de pandemias e tutores de cães em tratamento são os principais clientes do PetDrive. Bruno lembra do caso do Kiko. Ele é um cão idoso e que faz quimioterapia. Também é conhecido por ter um temperamento um pouco agressivo, que o impede de ir para o veterinário com outros animais.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Pet Drive (@pet.drive) em

Também está no foco do serviço, os cães cujos tutores não querem o transporte compartilhado, sem condições climáticas ou desconfiam da segurança das motos.

Outra questão que envolve a escolha do serviço está o risco de contaminação do animal com carrapatos e até mesmo doenças de pele, por conta do compartilhamento do espaço.

No carro designado ao petdrive, a assepsia é feita a cada viagem e o veículo passa por limpeza com ozônio, para que não haja contaminação cruzada entre os clientes.

Como surgiu a ideia?

Bruno tinha uma lanchonete dentro de um shopping da Capital e, com a pandemia, acabou tendo que fechar o negócio.

Estava sem trabalhar, mas como já é militante da causa animal, foi convidado por uma amiga veterinária a investir no ramo. Ela justificou que existia a demanda e que ele tinha domínio do assunto.

Desde então, o serviço não parou e, agora, ele já estuda a possibilidade de expandir.

E, para quem está curioso sobre os valores do serviço, custa entre R$ 25 e R$ 80. O telefone de contato é (65) 9.8175-2534.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorUFMT retoma aulas virtualmente no dia 10 de agosto
Próximo artigoNovo recorde (de novo)