Vacina contra covid: Saiba como MT tenta conseguir mais doses

Três frentes de negociação direta com os laboratórios estão em andamento, mas os entraves ainda são muitos

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Três consórcios tentam negociar diretamente com os laboratórios produtores a compra de vacinas contra a covid-19 para a população de Mato Grosso. O governador Mauro Mendes (DEM) participa de um consórcio nacional, com outros 14 Estados. É a tratativa mais avançada, até o momento, e as conversas já duram quase dois meses.  

A última oferta foi apresentada na terça-feira (2) à farmacêutica União Química, em Brasília, responsável pela produção da droga russa Sputnik V. Segundo o governador, a intenção de comprar 4 milhões de doses, que começariam a ser entregues já neste semestre. 

O que os 15 Estados tentam negociar são lotes mensais de 8 milhões de doses, que o laboratório passará a produzir a partir maio em Brasília e São Paulo, quando a encomenda de 10 milhões de doses feita pelo Ministério da Saúde tiver sido entregue. 

O Governo de Mato Grosso usaria sua encomenda para acelerar a imunização dos 3,6 milhões de habitantes. Os Estados precisam, porém, superar a resistência dos laboratórios em negociar com gestores abaixo do nível federal. 

Governador Mauro Mendes (Foto: Ednilson Aguiar/O LIVRE)

A estratégia é acertar o número de doses e pedir que sejam entregues ao Ministério da Saúde, para inclusão no Plano Nacional de Imunização (PNI). O Ministério paga o laboratório e os Estados pagam o governo federal. Então, as vacinas dessa compra são destinadas somente a esses 15 Estados que negociaram a transação.

LEIA TAMBÉM

Negócio de Cuiabá 

Paralelamente, a Prefeitura de Cuiabá assinou a participação na Frente Nacional dos Prefeitos (FNP), também na criação de um consórcio nacional para a compra de vacinas, medicamento e equipamentos. A instalação do grupo deve ocorrer até o dia 22 deste mês e, por isso, a situação está menos definida. 

O prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) ainda negocia a quantidade de doses que tem intenção de comprar, o número por enquanto é uma incógnita. Também não decidiu até quando o município estaria disposto a esperar pela entrega – a informação de gestores há mais tempo no mercado é que o prazo mais curto é de seis meses. 

De qualquer forma, seriam doses que, inicialmente, viriam exclusivamente para Cuiabá. Contudo, o tom da Frente Nacional dos Prefeitos parece menos independente do Ministério da Saúde. O objetivo do grupo é cobrir eventuais demandas que o PNI deixar de fora da vacinação. 

Prefeito Emanuel Pinheiro (Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Consórcio Estadual de Saúde 

Outros municípios de Mato Grosso começam articular a entrada na concorrência por vacinas por meio do Consórcio Estadual de Saúde. Conforme o presidente da Associação Mato-grossense dos Municípios (AMM), Neurilan Fraga, o motivo da busca seria o mesmo apresentado pelos Estados: certa “demora e resistência” do Ministério da Saúde em avançar a campanha nacional. 

Treze municípios compõem a diretoria do Consórcio e seriam responsáveis pela negociação com os laboratórios. A intenção de outros municípios em fazer compra direta depende de articulação. 

O que eles alegam são os empecilhos, até o momento, sem contornos. O primeiro é falta de vacina a curto prazo, ainda para o primeiro semestre, pronta para entrega. 

Neurilan Fraga, presidente da AMM (Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

O segundo é a falta de aprovação pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) das drogas disponíveis no mercado. A agência aprovou o uso da Oxford/AstraZeneca, do Reino Unido, e da CoronaVac, da China. A Sputnik V depende da chancela, mesmo para uso emergencial. 

O terceiro problema é a prerrogativa do Ministério da Saúde em confiscar as doses compradas por Estados e municípios. Conforme Neurilan Fraga, o ministro Eduardo Pazuello já avisou que vai exercer o direito enquanto os grupos prioritários não estiverem imunizados. 

“Hoje, vamos ter uma reunião com o ministro, novamente, para saber se houve mudança. Estamos esperando resolver essas questões para avançar na intenção de compra. Inclusive, vou oferecer a participação [de compra de vacina via o Consórcio] ao prefeito Emanuel Pinheiro, para engrossas a intenção de compra”, disse. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorReclamação no STF
Próximo artigoMenina de sete anos é abusada sexualmente pelo avô