Tomar a vacina contra a covid não te libera da máscara? Pesquisador da UFMT responde

Estudo da UFMT explica porque existe a recomendação de manter a máscara mesmo após ser vacinado

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Tomar a vacina contra a covid-19 não te libera, ao menos imediatamente, de usar as proteções individuais contra o novo coronavírus. Não existe um tempo seguro para deixar de usar máscara facial e outras medidas. O ideal é que, enquanto houver cenário de pandemia, essas medidas sejam mantidas.  

O motivo é a maneira como organismo humano reage à presença de focos diferentes de corpos estranhos nele. Nosso corpo tende a se concentrar no combate a apenas um foco de bactérias, vírus e outros microorganismos por vez.  

Isso quer dizer que a pessoa que se vacinar já com a presença do Sars-Cov 2 no organismo, ou for infectada logo depois das doses vacinais, pode ter seu organismo  concentrado em combater somente um “problema” e ele pode ser, justamente, a vacina. 

É que as vacinas – em especial a CoronaVac, mais usada no Brasil – simulam uma infecção para que o próprio corpo produza anti-corpos. Assim, quando uma infecção real ocorrer, o organismo já está pronto. Mas isso não acontece se essa infecção real ocorrer muito cedo, antes de o corpo ter tido tempo para reagir a vacina.  

Logo, a proteção contra o vírus ficará comprometida, com grande potencial de a doença (a de verdade) se desenvolver.

Foto: Ednilson Aguiar/O Livre

A avaliação está em estudo sobre doenças infecciosas, em preparação para publicação, do pesquisador da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Alexandre Machado. Segundo ele, o risco de desenvolvimento da covid-19 pós-vacina pode ocorrer, principalmente, em casos assintomáticos e em incubação antes e mesmo da vacinação. 

“Embora os riscos sejam mínimos conforme os estudos têm mostrado, eles existem e, por isso, a necessidade de reforço das medidas de biossegurança durante a campanha de vacinação”, comenta o pesquisador. 

Crises sanitárias anteriores  

Esse comportamento do organismo humano não é novo, já havia sido identificado em crises sanitárias anteriores, por exemplo, durante a vacinação em pandemias de tuberculose, sarampo e gripe.  

O assunto vem sendo estudado pelo pesquisador Alexandre Machado há 16 anos. O ponto de partida foi a morte de várias crianças com tuberculose após vacinação.

Outra situação emblemática foi a morte de indígenas que tiveram o contato com sarampo durante a infância e que, depois de vacinados, já adultos, desenvolveram o sarampo vacinal.  

O pesquisador ressalta que outra hipótese negativa que pode ocorrer é o nascimento de  novas variantes dos vírus combatidos pelas vacinas, inclusive mais agressivas e que resistentes aos imunizantes. Neste caso, surge a possibilidade de um supervírus 

Vacinação na pandemia 

Foto: Ednilson Aguiar/O Livre

Segundo Alexandre Machado, a vacinação durante a pandemia tem os seus riscos mesmo para as pessoas já vacinadas. Se o organismo delas ainda não estiver preparada para resistir ao desenvolvimento da doença, há chances de desenvolver um modo mais severo da covid-19. Por isso, a avaliação de que o organismo não atua em duas frentes diferentes de combate ao mesmo tempo. 

“O organismo humano começa a montar a defesa contra o vírus já no terceiro dia a partir da imunização. Nesse prazo, já é possível identificar a barreira contra o patógeno. Mas a pessoa pode ser infectada ou já estar com vírus antes da vacinação. Neste caso, o organismo vai direcionar a resposta imune protetora para o local da vacina, enquanto no sítio da infecção se tem tolerância, o que leva o vírus a se replicar mais”, explica o pesquisador.  

Ele afirma que isso explicaria a morte de algumas pessoas após tomar a primeira e até a segunda dose de vacinas: elas ainda estavam suscetíveis.

Os planos de imunização estadual, federal e municipal, trazem a recomendação de que a pessoa que contraiu a covid-19 seja vacinada somente 30 dias após o desaparecimento dos sintomas. 

O ideal antes de tomar a vacina, portanto, é que as pessoas passem pelo teste RT-PCR, considerado padrão ouro, para identificar se casos de incubação assintomática do novo coronavírus.  

“A proteção individual não deve ser relaxada após a vacinação. O recomendado é que enquanto estivermos na pandemia os cuidados sejam mantidos. Os riscos existem, mas são mínimos diante dos benefícios da vacinação em massa, pois além de proteger o indivíduo também ajuda a diminuir o contágio“, ele comenta.

Outra dica importante é não tomar vacina com sintomas gripais, estando com suspeita, o melhor é aguardar uns dias e se proteger. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorRestrições em São Paulo podem ir até o final do ano
Próximo artigoAneel adia reajuste da tarifa