Terry Crews provou que tamanho não importa quando se trata de assédio sexual

O ator de "Todo Mundo Odeia o Chris" teve seu papel cancelado em "Os Mercenários 4" por conta de suas denúncias

Terry Crews
(Foto: Reprodução/O Livre)

Nesta terça-feira o ator de “Todo Mundo Odeia o Chris” e “Brooklyn 99”, Terry Crews, deu o seu testemunho ao Comitê Judiciário do Senado norte-americano sobre a sua história como sobrevivente de abuso sexual. A decisão partiu da vontade do ator de lutar pela criação da Declaração de Direitos dos Sobreviventes de Abuso Sexual.

“O que aconteceu comigo aconteceu com muitos outros homens em Hollywood”, Crews afirmou, completando que o silêncio é ensurdecedor quando se trata de denúncias de vítimas masculinas. Ele disse que a experiência o “encorajou a divulgar a minha história e refletir sobre o culto à masculinidade tóxica” de Hollywood e na sociedade como um todo.

A Declaração de Direitos dos Sobreviventes de Abuso Sexual pretende codificar os direitos das pessoas sobreviventes de abuso, como ter o seu kit de estupro (com laudos médicos) preservado e testes forenses subsidiados em todos os 50 estados dos EUA. “Eu ouvi e continuo ouvindo sobre os direitos que o meu predador possui, mas nunca me falaram sobre os meus direitos enquanto sobrevivente”, adicionando que “se você sabe o que pode fazer, você pode realmente fazer algo a respeito do que ocorreu a você”.

“Eu não sou um cara pequeno ou inseguro, mas no momento que se seguiu após o meu abuso eu nunca me senti mais emasculado e impotente”

O assédio contra Terry Crews “durou apenas minutos, mas ele estava efetivamente me dizendo que, enquanto segurasse minhas genitais em suas mãos, ele era o dono do poder“. O ator estava em uma festa em 2016 quando o chefe do departamento de cinema da sua então agência de talentos o assediou em frente de sua esposa.

“Eu não sou um cara pequeno ou inseguro, mas no momento que se seguiu após o meu abuso eu nunca me senti mais emasculado e impotente”. Crews contou ainda que teria sentido vergonha de vir à público compartilhar suas experiências como vítima de assédio se não fosse o movimento #MeToo de denúncias que tomou conta do país em 2017, e segue forte até hoje.

“Hollywood tem sido um lugar problemático simplesmente porque as pessoas o enxergam como um sonho, e acontece que sempre há alguém com todo o poder sobre esses sonhos. Você é levado a achar que esse tipo de comportamento é algo esperado, algo que faz parte do trabalho, que esse assédio, abuso e até mesmo estupro fazem parte das atribuições da sua profissão.”

O ator sofreu represálias por ter falado sobre seu caso de assédio sexual em outubro do ano passado, quando o produtor Avi Lerner teria dito a Crews que ele só poderia atuar em Os Mercenários 4 caso não movesse nenhuma ação contra seu predador, Adam Venit. Quando Crews levou a sua denúncia à agência para que fizessem algo a respeito, não teve nenhum retorno. Venit foi rebaixado de sua posição na empresa e não demitido.

“Desde que eu trouxe a minha história à tona, milhares de outros homens vieram me dizer, ‘Aconteceu comigo também, essa é a minha história’. Mas eles não se sentem seguros para falar sobre isso porque você é colocado na lista negra, sua carreira fica em perigo. Depois disso ninguém mais quer trabalhar com você.”

Confira a abertura do testemunho de Terry ao Senado norte-americano (sem legendas):

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

1 COMENTÁRIO

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorJulgamento é adiado, mas vereadores de Cuiabá devem poder acumular cargo de deputado
Próximo artigoBélgica vence Inglaterra e fica em primeiro no Grupo G