“Tenho medo que ele apareça e a leve de novo”, diz mãe que reencontrou a filha após quase 3 anos

Menina foi levada pelo pai do interior de Mato Grosso e foi resgatada em Recife, após ir para um abrigo para moradores de rua

(Foto: Skitterphoto)

Foram dois anos e oito meses de espera para poder abraçar a filha novamente. Muitas noites em claro, se perguntando: quando teria a criança de volta em casa, em Sinop (a 500 km de Cuiabá)? Agora, I.S.B., de 5 anos, já está de volta para os braços da mãe.

A menina foi levada pelo pai, em janeiro de 2019. O homem, conforme previsão judicial, tinha a guarda compartilhada com a mãe da garota e ficava com a menina aos finais de semana, de sexta-feira a domingo.

Até que, no dia 15, uma terça-feira, de forma atípica, ele pediu à ex-companheira a autorização para buscar a menina. Ela consentiu, uma vez que o pai da garota disse que eles iriam comprar roupas. Porém, o homem jamais retornou com a criança.

Ida para Rondônia

A mãe registrou o desaparecimento da filha na polícia e tentou buscar pela menina até que, parentes do ex-companheiro, a informaram que ele e a menina estavam em Rondônia.

O paradeiro foi comunicado em 2020, quando já tinha mais de um ano que a mulher sequer falava com a filha por telefone. Nessa época, então, a mãe procurou a Defensoria Pública que fez o pedido para que a criança fosse resgatada.

A Justiça chegou a expedir a ordem, porém, o pai não foi encontrado com a menina.

Encontro em Recife

Em agosto deste ano, uma nova notícia veio. A criança estava em Recife com o pai, vivendo nas ruas da Capital pernambucana. A mudança aconteceu após a morte da avó paterna da menina.

O pai e a menina foram encontrados em um abrigo para pessoas em situação de vulnerabilidade. A descoberta do paradeiro foi feita pela direção do local de acolhimento.

Mais uma vez, a mãe mato-grossense foi até a Defensoria Pública, agora, em Juara (709 km de Cuiabá), onde mora atualmente, e pediu auxílio para conseguir a filha de volta.

A defensora pública Carolina Henrica Giordano assumiu o caso e requereu à Justiça que a menina fosse entregue a um abrigo para crianças, em Recife. A determinação judicial foi remetida para a Delegacia de Polícia de Crimes contra Crianças e Adolescentes que deu cumprimento à ordem.

A reportagem do LIVRE tentou contato com a Polícia Civil de Pernambuco para entrevistar as autoridades policiais que estiveram envolvidas no caso e questionar quais as medidas foram adotadas com relação ao pai.

A assessoria de imprensa limitou-se apenas a reforçar que a ordem judicial que existia em aberto foi cumprida.

O reencontro

A mãe diz que contou com o apoio da Defensoria também para ir até Recife buscar a filha. O reencontro foi emocionante, ainda que para a criança seja uma situação incompreensível.

Mãe e filha voltaram para Mato Grosso e estão em Juara. “Ela, às vezes me chama de mãe, em outros momentos fala tia. Ainda está se acostumando, mas tem se alimentado e dormido bem”, conta.

Apesar de hoje estarem juntas, há ainda a apreensão de que sejam separadas novamente. “Eu tenho medo que ele venha aqui e pegue ela de novo, sim. Não sabemos do que ele é capaz”, diz a mulher em tom preocupado.

O casal ficou junto por apenas três meses e se separou logo no início da gravidez da mulher.

A defensora pública informa que entrará em contato com a Secretaria de Saúde e Assistência Social do município para que solicitar o acompanhamento da criança.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorVocê gostava do horário de verão? 55% dos brasileiros aceitariam ele de volta
Próximo artigoFilho assassina o pai com golpes de chave de fenda em Cuiabá