STF interfere em votação da PEC do voto impresso, afirma deputado

Apoiador de Bolsonaro, Nelson Barbudo (PSL-MT) afirma que proposta está sendo freada pelos ministros Fachin, Barroso e Alexandre de Moraes

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

O deputado federal Nelson Barbudo (PSL-MT) diz que ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) têm interferido na votação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) para a implantação do voto impresso nas eleições de 2022. 

Segundo ele, três membros do Supremo – Edson Fachin, Luís Roberto Barroso (presidente do TSE), e Alexandre de Moraes – estariam articulando para brecar a votação do assunto no plenário. 

“Quando a PEC foi aprovada pela CCJ [no fim de 2019] pela maioria dos deputados, nós, que somos a favor, já comemorávamos a implantação, porque a maioria dos partidos já tinham aprovado. Mas agora a gente sente que a facilidade que a PEC tinha para ser aprovada foi brecada”, afirmou. 

O parlamentar afirma que os ministros citados já estiveram em reunião com lideranças partidárias da Câmara Federal para tentar frear o encaminhamento da proposta. Ele insinuou que a estratégia dos ministros passaria pelo andamento de processos contra deputados federais no STF. 

Trâmite em comissão 

O relator da PEC, deputado Filipe Barros (PSL-SP), apresentou no dia 28 de junho, na comissão especial da Câmara que analisa as propostas de reforma eleitoral, parecer favorável à Proposta que estabelece o voto impresso. 

A Proposta será agora analisada e votada pela comissão especial, o que ainda não tem data para acontecer. Pela lei, a PEC deve ser aprovada até um ano antes da próxima eleição. 

Posições 

Em audiência pública na Câmara no mês passado, o ministro Barroso, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), afirmou que o país não tem condições de reativar o voto impresso por motivos de logística e gasto a mais com o formato. 

Pelo menos 11 partidos políticos e o TSE são contrários à adoção do voto impresso, defendido pelo presidente Jair Bolsonaro.  

Já os defensores da reativação afirmam que a intenção do Judiciário sobre o assunto “está escancarada” e teria relação com as decisões do STF que tornaram o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva elegível novamente. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorFilósofo Olavo de Carvalho segue em tratamento médico
Próximo artigoDepósito de pallets de madeira pega fogo em Várzea Grande