“Ser negro” nos dias atuais

O dia 20 de novembro, data em que se comemora o Dia da Consciência Negra no Brasil, traz inúmeras reflexões importantes, principalmente para quem é negro. Sou um ser negro, faço parte de uma raça discriminada historicamente e, essa discriminação reflete até os dias atuais. A data aflora a história vivida por  negros, que com tanto sangue e luta, conquistou direitos constitucionais.

A consciência humana avançou  e aliado a isso, nossa legislação também, mas ainda não eliminamos o preconceito. Sabe aquele preconceito escondido? Pois é, ainda sofremos com uma relação desigual entre pessoas, por vários fatores que não consiste apenas na cor da pele, mas em gênero e condições socioeconômicas, fatores que considero como principais para a desigualdade.

“Ser negro” é ainda sofrer com a falta de empatia das pessoas, e de  discriminações no ambiente corporativo e espaços públicos. Sou negro com orgulho, venci na vida, conquistei  meu espaço profissionalmente, mas faço parte de uma estatística pequena.

Segundo o IBGE, as pessoas pretas e pardas ocupam só 29,9% dos cargos gerenciais nas empresas brasileiras. Além disso, apenas 11,9% dos maiores salários gerenciais são pagos a esses trabalhadores. Isso significa que somente ações concretas por parte das organizações podem mudar a realidade das pessoas negras no mercado de trabalho.

Hoje sou empresário do ramo educacional e imobiliário, e estou como Presidente do Conselho Regional de Corretores de Imóveis de Mato Grosso. Como um gestor negro, acredito que  as empresas devem atuar para combater qualquer tipo de discriminação.

Fazer campanhas de igualdade racial para conscientizar, não é suficiente! Precisamos de ações que repercutam para além do dia específico. É necessária a inclusão racial no ambiente corporativo. O negro deve ter o mesmo espaço, como qualquer outra pessoa, dentro de uma empresa.

Se é difícil para uma pessoa branca crescer profissionalmente, para um negro é ainda muito mais difícil. As oportunidades dadas aos brancos, há séculos, não são as mesmas do que as oferecidas aos negros.

Eu sou um “ser negro” que passou por muitos preconceitos para chegar a uma situação considerável, economicamente. Estudei e trabalhei muito para ser bem-sucedido, e ser presidente de um órgão de classe, com grande representatividade.

Sou um negro vencedor, que sonha ver muitas pessoas negras em importantes espaços de ocupação. Que possamos, em breve, o igual acesso de oportunidades entre negros e brancos.

Prof. Benedito Odario, negro,  empresário, gestor superior em negócios ULBRA, pós graduando em Perícias Judiciais, Presidente do CRECI/MT. 

 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCasas de apostas: 5 Dicas de apostas esportivas para iniciantes
Próximo artigoWellington Fagundes afirma que PL aceitou não apoiar rivais de Bolsonaro