Renovação de contrato da Malha Paulista abre caminho para ferrovia em MT

Serão investidos R$ 6,3 bilhões para melhorar a capacidade de transporte de cargas até SP

(Foto: Divulgação)

A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) aprovou, nesta terça-feira (26), a renovação antecipada do contrato de concessão da Rumo Malha Paulista. A assinatura dos termos deverá acontecer nesta quarta-feira (27), no Ministério da Infraestrutura.

Presidente da Frente Parlamentar de Logística e Infraestrutura (Frenlogi), o senador Wellington Fagundes (PL-MT) explica que a renovação do contrato impacta inicialmente sobre o escoamento da produção de grãos e de produtos da cadeia animal em Mato Grosso.

“Será a materialização – como se diz em Mato Grosso – da ferrovia avançando para dentro da roça para escoar com mais competitividade a nossa expressiva produção de grãos”, diz o senador.

Senador Wellington Fagundes (PL) durante reunião por videoconferência com a ANTT (Foto: Assessoria)

Malha Paulista

O novo contrato prevê R$ 6,3 bilhões de investimento pela Rumo para a realização de intervenções urbanas (R$ 2,6 bilhões), melhoria da infra e da superestrutura ferroviária existente, respectivamente, R$ 822 milhões e R$ 2,2 bilhões, e aquisição de locomotivas e vagões (R$ 1,1 bilhão para cada), entre outros investimentos de valores menores.

Sem a realização de investimentos imediatos, a demanda ficará restrita a 30 bilhões de toneladas por quilômetro-útil até o ano de 2029. Com a melhoria a demanda deve crescer já a partir deste ano, chegando a aproximadamente 44 bilhões de toneladas por quilômetro em 2024 e estabilizando nesse valor até o final da concessão.

Hoje, o tempo médio de percurso, segundo o senador, no lado da Malha Norte é de 25 horas e 20 minutos. Por outro lado, o tempo percorrido, na Malha Paulista, é 59 horas e 44 minutos, o dobro devido aos gargalos no trecho de Campinas até Santos.

Já o consumo médio de diesel, por um milhão de tonelada na Malha Norte, que é o trecho de Rondonópolis até Aparecida do Taboado (SP), é de 2,8 litros. Na Malha Paulista é de 4,1. No atual cenário não existiria a possibilidade de avançar os trilhos em Mato Grosso, porque a malha paulista está operando com sua total capacidade.

Estudos realizados pela Empresa de Planejamento de Logística (EPL), indicaram que a extensão da ferrovia de Rondonópolis até Cuiabá deve aumentar a capacidade de escoamento do modal em 8 milhões de toneladas por ano. A capacidade atual é de 15 milhões de toneladas. (Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorDeputado propõe multa de até R$ 50 mil para farmácia que aumentar preço de remédio
Próximo artigoQuase 1/3 dos pacientes com covid-19 já foram curados em MT

O LIVRE ADS