Doce lar: nutricionista leva consultório para casa e economiza aluguel

Gustavo Soares diz que os atendimentos reduziram com a pandemia e a solução foi cortar custos

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Sair do imóvel comercial e atender em home office pode representar mais aconchego aos clientes e, em contrapartida, menos privacidade ao profissional. Um dilema que muitas pessoas, como o nutricionista Gustavo Soares, estão enfrentando em tempos de pandemia.

Ele conta que com a redução dos atendimentos, o pagamento do aluguel tornou-se inviável, já que deixou de fazer 40 atendimentos semanais para dois. Uma situação que o pressionou a transformar a sala do apartamento dele, antes lugar de descontração, em consultório.

Assim, o espaço que era ocupado centralmente pela TV e pelo sofá, recebeu, em meios adaptados, a companhia da mesa, cadeiras, tabelas de calorias e instrumentos que dão ares de sala de médico ao ambiente.

Um projeto que já estava na mente do nutricionista, porém foi acelerado pela crise coronavírus, que pressionou a readequação do negócio.

“Eu tinha essa ideia faz tempo, mas sempre tive resistência. Mas, agora que entrei numa situação que preciso me adaptar à realidade da pandemia, resolvi reformar a sala e passar meu consultório para casa”, diz.

A negociação

Após ser informado dos reajustes do aluguel e condomínio no início da pandemia, Gustavo tentou negociar com o dono do imóvel, mas não obteve sucesso. Então, teve que iniciar a saída da sala onde ficou por mais de um ano.

O nutricionista diz que não foi apressado ao desocupar o prédio. Fez tudo de modo apropriado, sem pressão do proprietário.  

“Eu achei que o dono do imóvel foi um pouco inflexível. Mas, já tinha sido bacana comigo antes, quando me deu abono no aluguel. Meu problema foi que a minha agenda de clientes caiu em poucas semanas. O valor não dava para pagar nem minhas despesas básicas”, Gustavo lembra. 

Depois de decorada, sala não perde em estrutura para um consultório (Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Tensão na vizinhança 

Os dias de mudança para Gustavo ainda devem continuar. Ele prevê que a transferência do consultório para o apartamento onde mora abrirá novas frentes com as quais precisará lidar. 

O nutricionista diz que deverá negociar com a administração do prédio para ter autorização de atendimento e tem argumentos preparados para apresentar em sua defesa. 

“Não vou ter problema de contaminação porque, no atendimento diário, não manipulo objetos contaminantes. Outra questão é a situação pandemia. Está todo mundo fazendo home office”, argumenta. 

Gustavo sabe que terá que controlar a circulação de pessoas para não haver problema com outros moradores. A ideia é limitar o atendimento ao máximo de quatro pessoas por dia, duas de manhã e duas à tarde. 

Em home office, Gustavo Soares terá um número limitado de atendimentos (Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPM se prepara para manifestações
Próximo artigoTradição da cerâmica está ameaçada pela falta de interesse dos jovens