PF investiga pagamento de propina em troca de decisões da Aneel

Ex-diretor é suspeito de receber pagamentos para tomar decisões favoráveis a empresas de energia

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

A Polícia Federal (PF) investiga o possível recebimento de propina por um ex-diretor da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) em troca de decisões favoráveis a empresas de energia. Os crimes teriam ocorrido quando ele atuava na agência reguladora.

Dois mandados de busca e apreensão foram cumpridos em Brasília e a operação recebeu o nome de Elétron. Ela conta com apoio da Controladoria-Geral da União (CGU).

A investigação começou em 2016, a partir de suspeitas da CGU de irregularidade em decisões tomadas por diretores da Aneel, entre 2010 e 2013. Tais decisões contrariavam pareceres técnicos da própria agência, em benefício de empresas do ramo de energia.

De acordo com a PF, o prejuízo aos cofres públicos, a partir dessas decisões, ultrapassou R$ 12 milhões.

Além dos relatórios controvertidos, a investigação apontou que, 7 meses depois de deixar a Aneel, o ex-diretor da agência foi nomeado diretor de 13 empresas de energia e abriu uma empresa de consultoria na área.

A partir daí, ele e sua nova firma passaram a receber em suas contas bancárias diversas transferências e depósitos de empresas do setor elétrico, que teriam sido beneficiadas por decisões da Aneel.

Ainda de acordo com a investigação, entre 2014 e 2015 houve um aumento de aproximadamente 300%, em relação aos anos de 2011 a 2013, nos valores das contas vinculadas ao ex-diretor e sua empresa.

Parte dos depósitos também não consta na declaração de imposto de renda dos 2 anos.

Para a PF, esses indícios apontam que as transferências são uma contraprestação pelos benefícios obtidos pelas empresas após decisões tomadas pelo então diretor da Aneel.

Em nota, a Aneel informou que está à disposição das autoridades para colaborar e prestar todos os esclarecimentos necessários às investigações.

“A Aneel procura sempre robustecer seus mecanismos de controle e tem um processo decisório transparente e alinhado com as melhores práticas mundiais de regulação”, diz a agência.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorFestival de Brasília 2019 começa hoje com “O Traidor”, com Maria Fernanda Cândido
Próximo artigoAl Pacino caça nazistas em trailer de Hunters, nova série da Amazon

O LIVRE ADS