Peste suína africana pode ampliar venda de carne de porco para China

A ministra acaba de retornar de uma viagem à Ásia, onde visitou Japão, Vietnã, Indonésia e China

A peste suína africana representará uma janela de oportunidades para a exportação de carne suína brasileira aos países asiáticos, em especial para a China. A avaliação foi feita hoje (22) pela ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa),Tereza Cristina, durante audiência pública na Câmara dos Deputados.

A ministra acaba de retornar de uma viagem à Ásia, onde visitou Japão, Vietnã, Indonésia e China. “Hoje, por causa da peste africana, os chineses precisam importar muita carne suína”, disse. “E a quantidade que eles [chineses] precisam de carne suína, o mundo inteiro, junto, não tem condições de suprir”, acrescentou. “Se tivermos juízo e cumprirmos o que está no protocolo, teremos muito mercado.”

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, participa de audiência pública na Comissão de Agricultura da Câmara dos Deputados.

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, participa de audiência pública na Comissão de Agricultura da Câmara dos Deputados – Marcelo Camargo/Agência Brasil

Tereza Cristina ressaltou que, para os produtores brasileiros terem sucesso na empreitada, será fundamental que o país tenha credibilidade, oferecendo produtos que cumpram todos os requisitos exigidos pela China.

A peste suína africana é uma doença altamente contagiosa que, apesar de não acometer seres humanos, se dissemina rapidamente entre os animais. De acordo com a Embrapa, o vírus foi detectado em setembro de 2018 em suínos na China e na Romênia. A doença foi também detectada em javalis, na Bélgica.

Segundo a ministra, outros países asiáticos estão passando pelo mesmo problema. No entanto, a dimensão ainda não está clara, porque até o momento os governos não divulgaram de forma clara a gravidade da situação.

A ministra já havia dito que a peste africana afetará as vendas de soja para os chineses, uma vez que o alimento é usado como ração, mas que, por outro lado, poderia representar oportunidades para a exportação de carne de porco. “Imagina 200 milhões de animais a menos consumindo soja”, disse, durante a audiência.

No primeiro trimestre de 2019, as vendas de soja triturada do Brasil para China (US$ 4,75 bilhões) corresponderam a 9% do valor arrecadado com o total de exportações (US$ 52,6 bilhões). No período, de cada US$ 100 que o país captou com a venda do produto em todo o mundo, US$ 77,48 vieram da China.

Edição: Maria Claudia

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSeleção brasileira inicia hoje preparação para a Copa América
Próximo artigoSTF começa a julgar fornecimento de remédios de alto custo pelo SUS