Para manter a carne no prato, cuiabano desembolsa mais de 10% do salário mínimo

Nutricionista ensina a diversificar as proteínas para conseguir comprar a quantidade necessária para manter a saúde em dia

(Foto de Pixabay)

Bancar a “mistura” necessária no prato de cada integrante de uma família de quatro pessoas – dois adultos e duas crianças – em Cuiabá está custando, no mínimo, 13% do salário mínimo. O preço da carne sobe cada dia mais, mesmo das peças mais em conta, e pesa no bolso do cuiabano.

Para fazer a conta, a reportagem do LIVRE considerou uma família formada por dois adultos (pesando 70 quilos em média, cada) e duas crianças abaixo dos 10 anos de idade. Para essas pessoas, o consumo ideal médio seria em torno de seis quilos de proteína ao mês.

Se o consumidor escolher o músculo bovino, carne com menor preço na semana em que a reportagem fez a pesquisa – R$ 27,90 o quilo -, o desembolso será de R$ 167,40 no fim do mês. Com o peito (R$ 29,79 kg) e o acém (R$ 29,80 kg), a despesa sobe para pouco mais de R$ 178.

Até mesmo o coxão duro “salgou” o prato do brasileiro. Com o quilo a R$ 36,75, o custo mensal para a família da nossa reportagem seria de R$ 220.

O nutricionista Gustavo Soares explica que a média considera o consumo de 1 grama de proteína por quilo de peso corporal. Para crianças, esse valor é reduzido pela metade.

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Com os preços subindo cada vez mais – ainda que a preferência do brasileiro seja pela carne bovina -, a orientação do especialista é procurar carnes mais baratas, como porco e frango, escolhendo cortes que rendem mais.

Para quem gosta de carne suína, o preço reduz um pouco: o quilo custa a partir de R$ 17, o que, no final do mês, totalizaria R$ 106,74. Uma boa economia com relação à carne bovina.

E se a escolha for pelos cortes de frango, o bolso pode ter uma folga um pouco maior. O filé de peito é o corte mais caro, R$ 16,49 kg, que no mês totalizaria R$ 98,94. Mas a sobrecoxa (R$ 13,98) e a coxa (R$ 10,90 kg) ficam mais em conta, somando R$ 83,88 e R$ 65,40, respectivamente.

Por isso, a orientação do nutricionista é pela diversificação entre as carnes para que o valor a ser pago no fim das contas fique equilibrado. A indicação para uma compra mensal poderia ser pela opção da carne suína, como o filé, seguido da coxa de frango e, por último, o músculo bovino.

Outra recomendação, quando a escolha ainda for a carne bovina, é dar preferência para outras peças e diversificar o preparo.

“É mito aquela separação em carne de primeira e de segunda, a questão é saber preparar. Cozinhar bem um músculo, por exemplo, pode ficar tão gostoso quanto um filé mignon”, comenta Gustavo.

Prato diversificado

Para manter a saúde e controlar os gastos, Gustavo Soares lembra que também é possível tornar o prato mais diversificado. Fazer isso é simples. Você deve separá-lo em três partes: uma pequena para proteína vegetal e animal, outra também pequena para carboidratos, e a maior para vegetais crus e cozidos. Esses últimos, aliás, em muitos casos podem ser consumidos à vontade.

“Dessa forma, é possível contemplar a dupla preferida do brasileiro, que é o arroz e o feijão, e ainda manter a proteína”, destaca Soares. “É preciso apelar para a criatividade, incrementar o preparo da comida também, fazer render a carne ao prepará-la com legumes, por exemplo”.

Escolha inteligente dos produtos

Soares destaca ainda que pode-se atingir quantidade de proteína necessária para o organismo não apenas com carnes, mas também com outros alimentos, como os ovos, leite integral, e até em leguminosas, como o próprio feijão carioca ou preto, grão de bico, lentilha, aveia, quinoa.

Por isso, a orientação é buscar investir também nos produtos da estação, como laranja, mexerica, maçã, abacaxi, que, normalmente, podem ter o preço um pouco mais acessível. A aveia e o trigo para quibe podem ser aliados nas demais refeições.

“Usar o macarrão integral e mesclar com o arroz integral e o branco também pode ser uma saída”, diz o nutricionista.

LEIA TAMBÉM

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPrimeira etapa de obra na avenida República do Líbano é concluída
Próximo artigoDemagogia ou incompetência?