O que vem depois? Conheça o que 5 religiões pensam sobre a vida após a morte

Reencarnação, ressurreição, céu, purgatório, inferno. O que nos aguarda depois que a vida física acabar?

(Foto: Pixabay)

A vida após a morte é um tema que reflete o sentido da existência e o pilar da fé de muitas religiões. Em geral, o que se pergunta é: o que vem depois que cessa a vida terrena? Como será a existência do outro lado? O que nos espera?

Essas são algumas perguntas que a maioria das religiões tentam responder. O LIVRE listou o que pensam 5 delas.

1. Cristianismo

(Foto: Pixabay)

O Cristianismo é a religião mais conhecida e praticada no mundo ocidental. Em dois mil anos de história, a religião se dividiu em duas grandes correntes, o catolicismo e o protestantismo – que mais tarde resultou no que hoje é chamado de evangelismo.

Apesar das diferenças doutrinárias entre católicos e evangélicos, ambos acreditam na ressurreição dos mortos.

A ressurreição seria o que aconteceu com Jesus Cristo, que foi morto crucificado e depois de três dias voltou a vida.

A diferença é que católicos acreditam que, após a morte, existe um julgamento e a alma pode ir para o inferno, purgatório ou céu – dependendo de como foram as atitudes da pessoa na Terra.

Já algumas correntes evangélicas acreditam que, ao morrer, a alma fica repousando junto ao corpo no túmulo e, depois no dia do julgamento final, ou será direcionada para o céu ou inferno, sem passar por um lugar intermediário, como o purgatório.

2. Espiritismo

(Foto: Pixabay)

O espiritismo é uma doutrina filosófica que surgiu na França e foi decodificada pelo professor Allan Kardec.

Com muita adesão no Brasil, a religião tem forte ligação com o mundo espiritual e acredita na reencarnação. Esse crença é milenar e faz parte da visão pós-morte de outras religiões.

Na visão espírita, a alma, após a morte, vai para algum lugar com a qual ela possui afinidade energética. Isso pode significar uma infinidade de possibilidades.

Contudo, os espíritos em processo de iluminação, em grau mais avançado, vão para locais conhecidos como colônias espirituais e, por lá, trabalham, aprendem e praticam boas ações que contam pontos no processo de evolução.

Em dado momento, este espírito, consciente da sua necessidade de novos aprendizados e aperfeiçoamento, passa pelo processo de reencarnação, no qual ele retorna à terra. Este processo é repetido inúmeras vezes até que o espírito não tenha mais necessidade de reencarnar, o que pode levar inúmeras vidas.

Mas há também os espíritos que preferem não cumprir as leis divina e ficam a vagar e a sofrer por locais tenebrosos, conhecidos como umbral.

3. Islamismo

(Foto: Pixabay)

Os muçulmanos também acreditam na ressurreição. Monoteístas, eles também dividem o pós vida entre céu e inferno e acreditam que, segundo suas boas ações e pelo poder de Alá, vão receber as benevolências do paraíso.

Já o inferno seria o local para onde vão as pessoas de más ações e que não receberam o perdão pelos seus pecados.

Na religião, também predominam conceitos como livre-arbítrio, obediência a deus e rebelião, fatores que seriam preponderantes para garantir se a pessoa vai ou não para o paraíso.

4. Candomblé

(Foto: Pixabay)

O Candomblé tem diversas vertentes e possui várias formas de encarar a vida após a morte. De modo geral, a religião de matriz africana também acredita em reencarnação, mas suas práticas não estão necessariamente fundamentadas na busca pelo bem estar pós morte e, sim, na vida que se tem no momento.

Para algumas culturas do Candomblé, é comum os praticantes acreditarem que, após morrerem, voltarão para o Orixá, que são as divindades ligadas às energias da natureza e, com isso, sua essência se transformar na essência do Orixá.

Mas há os que defendem que, após a morte, aconteça algo semelhante ao que se prega no espiritismo, com os espíritos podendo habitar o mundo espiritual que, para a religião, é dividido em nove dimensões distintas.

5. Budismo

(Foto: Pixabay)

O Budismo também acredita na reencarnação e, de alguma forma, que também exista o julgamento da alma após a morte.

Contudo, diferente do que prega o Cristianismo, no qual o julgamento é feito por Jesus Cristo; no Budismo, esse julgamento é feito pelos karmas – que seria o acumulo das ações boas ou ruins que a pessoa fez durante sua vida terrena.

O budismo também afirma a existência de uma fase conhecida como estado intermediário do ser, que acontece após a morte do corpo físico.

Nesta fase, a pessoa entraria em uma nova dimensão astral, onde não há limites do tempo e do espaço.

Também existe o inferno na visão budista e mundos inferiores, onde pessoas com más atitudes vão habitar após uma vida desequilibrada na Terra. Por outro lado, as pessoas que conseguiram exercer suas virtudes e qualidades, direcionam-se para dimensões superiores onde habitam semideuses e deuses.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMenino apresenta abaixo-assinado inusitado e convence mãe a adotar pet
Próximo artigoLíderes de denúncias