Número de grávidas com HIV aumenta quase 40% (e isso não é uma notícia ruim)

Os dados, na realidade, apontam que o país tem avançado no controle da Aids, sustenta o Ministério da Saúde

(Foto: Reprodução)

De 2008 a 2018, a quantidade de mulheres grávidas e portadoras do vírus HIV cresceu 37% no Brasil. Os números, a princípio, podem parecer apontar para uma má notícia, mas a Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde sustenta que não.

De acordo com o diretor do Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis, Gerson Fernando Pereira, esse aumento se deve aos avanços no tratamento.

Não entendeu? É que a medicação controla a doença e evita que o feto seja infectado. Isso dá às mulheres portadoras do vírus mais possibilidades de realizar o sonho da maternidade.

“A aids, no passado, tinha uma mortalidade alta. Hoje, a pessoa infectada tem a mesma sobrevida de uma pessoa não infectada, desde que tome o medicamento. Mulheres que tomam o medicamento podem ter crianças por parto normal. Elas têm estímulo para engravidar”.

Hoje, em todo o país, mulheres grávidas atendidas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) devem, obrigatoriamente, fazer o teste de HIV. Os casos positivos devem ser notificados no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan).

De acordo com Pereira, a estimativa é que 86% das pessoas infectadas com o HIV estejam diagnosticadas e 78% estejam em tratamento. A meta é elevar ambas proporções para 90%.

O maior controle também contribuiu para o aumento dos números de grávidas portadoras do vírus. Em 2008, foram registradas 6,7 mil gestantes com HIV – pouco mais de 2 casos para cada mil nascidos vivos. Em 2018, esse número passou para 8,6 mil – quase 3 casos para cada mil pessoas.

Distribuir preservativos é uma das estratégias que o Ministério da Saúde adota para controlar a doença (Foto: José CRuz/Agência Brasil)

Uma prova de que o país avançou no atendimento à gestantes, segundo o Ministério da Saúde, é a redução da chamada transmissão vertical do vírus, que ocorre, justamente, quando a mãe infecta o bebê durante a gestação, no parto ou na amamentação.

Essa taxa caiu de 3,6 casos a cada 100 mil habitantes, em 2008, para 1,9 mil casos, em 2018, o que corresponde a uma queda de mais de 47%.

Agora, o Ministério trabalha para zerar esses casos. Para isso, em parceria com Estados e Municípios, incentiva a formação de pessoal para a realização adequada do pré-natal.

No Rio de Janeiro, o Hospital Universitário Gaffrée e Guinle, vinculado à Universidade Federal, é referência no atendimento a gestantes com HIV.

“Desde 2008, não nasce nenhum bebê com HIV aqui. A maternidade é a melhor maternidade pública do Rio de Janeiro”, ressaltou o diretor do hospital, Fernando Ferry.

(Com informações da Agência Brasil)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorThe Witcher supera Stranger Things como a série da Netflix mais popular no mundo
Próximo artigoExperimentos com soja convencional são debatidos em Campo Novo