Nove vítimas e ele está solto: ex-mulheres de agente penitenciário pedem socorro

Ele já foi preso, mas está novamente nas ruas. Elas, vulneráveis pela ameaça constante de se encontrar com o ex-companheiro

Imagem ilustrativa (Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

O aparelho que Maria Penha* segurava nas mãos começou a emitir alerta no momento em que o espaço foi aberto para que as vítimas falassem sobre sua situação. Era a segunda vez no dia que ela tinha um sobressalto. O aviso significava que alguém com alta probabilidade de atacá-la estava próximo.

Era o ex-companheiro, Édson Batista Alves, que tinha quebrado a medida judicial protetiva para mulheres que foram violentadas. Maria Penha não conseguiu falar por causa do pânico que a tomou e o microfone foi passado para Valéria*, outra vítima do mesmo agressor.

A segunda mulher também estava na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) a procura de ajuda para se proteger contra o acusado, pois as medidas judiciais não estão gerando o efeito de proteção.

O histórico de Édson é longo e hediondo. Conforme a Delegacia Mulher de Cuiabá e a Associação das Mulheres de Mato Grosso, ele já torturou nove mulheres e espancou um menino de seis anos até quebrar seu braço.

“É uma nova vítima a cada vez que ele sai da cadeia. Ele tortura uma mulher, vai preso. Sai daqui três meses e faz uma nova vítima”, disse a advogada de Maria Penha, Lindamara Teixeira.

Maria Penha e Valéria chegaram à Câmara Setorial Temática da Mulher – instalada na ALMT – com o pedido de intervenção ao Judiciário para devolvê-las o direito de ir e vir.

Elas já procuraram a Justiça em busca das medidas e foram atendidas. Mas, entraram em uma série de episódios de pânico quando descobriram que a lei que as protege tem seu limite e que o agressor continua rondando.

A Câmara Setorial Temática das Mulheres procurada pelas vítimas como alternativa para uma solução definitiva (Foto: JL Siqueira/ALMT)

Preso e solto

Presidente da Associação das Mulheres de Mato Grosso, Sandra Raquel diz que o agressor, que já foi preso mais de uma vez, cumpriu em todas elas o prazo determinado por lei: 80 dias em reclusão para casos semelhantes.

Ela aponta choque entre ações da rede segurança pública que tem beneficiado o acusado. “A Polícia Militar prende, a Polícia Civil faz a investigação, mas a Justiça solta. E o acusado está passeando nos shoppings de Cuiabá. Há uma troca de valores”, ela critica.

Um complicador é apontado: a profissão de Édson Batista Alves. Ele é agente penitenciário e a reincidência de prisões pelo mesmo motivo tem sido ignorada.

LEIA TAMBÉM

Valéria disse que, durante seu relacionamento com Édson, foi mantida em cativeiro por algumas vezes e sofreu agressões de diversas formas. Seu filho de seis anos teve o braço quebrado pelo agressor.

Ela diz que o sentimento de desemparo surgiu quando recebeu a informação do Fórum de Cuiabá de que o ex-companheiro seria solto. A notícia chegou a ela duas horas antes de ele ganhar a liberdade.

Até o momento, o Judiciário divulgou informação de duas vítimas em Cuiabá e uma em Rondonópolis. Contudo, já se sabe que outras seis mulheres foram torturadas pelo agente penitenciário.

“Ele faz coisa que não é comum se fazer. Mantém as mulheres em cativeiro, comete crime psicológico. A vítima sai do relacionamento totalmente fragilizada”, diz a delegada Jorzilethe Criveletto, responsável pelos dois casos na Capital.

A reportagem não conseguiu contato com a defesa de Édson Batista Alves. O espaço está aberto para manifestações.

(*Os nomes das vítimas são fictícios por medidas de proteção)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorImagem revela que Jurassic World 3 terá um Triceratops bebê
Próximo artigoTeoria revela o final de La Casa de Papel; Confira

O LIVRE ADS