Nome sujo: Mato Grosso supera a média regional de inadimplência

Estado tem mais devedores que o ano passado e CDL acredita que número será ampliado nos próximos meses, por conta do coronavírus

Foto: Marcello Casal Jr / Agência Brasil

O número de pessoas que não conseguem pagar as contas em Mato Grosso está subindo gradualmente desde o mês de abril, devido à pandemia do novo coronavírus. Atualmente mais de 1,2 milhão de pessoas está com o nome negativado no Serviço de Proteção ao Crédito (SPC).

São 100 mil a mais do que o ano passado, quando o primeiro semestre foi concluso como 1,1 milhão devedores.

Caso seja comparados as estatísticas do mês de junho deste ano com o mesmo período do ano passado, é possível ver um acréscimo de 7,91% na quantidade de inadimplentes de um ano para outro. A porcentagem é a maior de toda a região Centro-Oeste (5,47%).

Os dados também apontam aumento no número de dívidas em atraso de moradores do Estado. Em junho de 2020, cresceu 7,76%, em relação a junho de 2019. O dado ficou acima da média da região Centro‐Oeste (3,42%) e acima da média nacional (‐3,38%).

A média de dívidas em atraso levantada na pesquisa em junho de 2020 por consumidor inadimplente , é de 1,940 em Mato Grosso. A quantia ficou acima da média da região Centro‐Oeste (1,888 dívidas por pessoa inadimplente) e acima da média nacional registrada no mês (1,826 dívidas para cada pessoa inadimplente).

O número de mato-grossenses inadimplentes deve aumentar consideravelmente nos próximos meses devido ao impacto econômico gerado pelo novo coronavírus. É o que prevê a Câmara de Dirigentes Lojistas de Cuiabá (CDL Cuiabá).

“Quando comparamos esses dados com o mês de maio, temos uma leve redução. A explicação nada mais é que o prévio retorno das atividades empresariais no período que deram uma pequena aliviada nas contas da população. Porém com a suspensão dessas atividades depois da segunda quinzena de junho (25 de junho), através do Decreto n° 7.970, o comércio e toda atividade empresarial não enquadrada no serviço essencial voltou à estaca zero, desta forma, a tendência é que a inadimplência continue a crescer ainda mais no mês de julho”, lamentou o superintendente da entidade, Fábio Granja.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPor falta de UTI, pacientes de MT com covid-19 são transferidos para outros estados
Próximo artigoGoverno zera tarifas de 34 medicamentos usados no combate à covid-19

O LIVRE ADS