MT cumpre 50% da meta de cadastro de presos

Trinta servidores compõe a equipe definida pela Corregedoria-Geral da Justiça (CGJ-MT) para atuar no projeto

(Divulgação)
Em menos de 20 dias de trabalho, a comissão responsável pela instalação e execução do Banco Nacional de Monitoramento de Prisões (BNMP 2.0) já cadastrou 55% dos presos em regime fechado e dos mandados de prisão em aberto no Estado. Conforme relatório do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Mato Grosso ultrapassou a metade da meta na última quarta-feira (25 de abril) e atualmente está à frente de 14 estados brasileiros em grau de implantação. Trinta servidores compõe a equipe definida pela Corregedoria-Geral da Justiça (CGJ-MT) para atuar no projeto.
O prazo inicialmente definido pelo CNJ para conclusão do cadastramento era 31 de maio, mas foi antecipado para 23 de maio. Até às 5h desta sexta-feira (27 de abril), 1426 mandados e 6117 pessoas privadas de liberdade estavam inseridos no BNMP 2.0. Do total de mandados, apenas dois se referem a foragidos da Justiça e os demais são relativos a procurados. Dentre os presos, 3146 são condenados, 2965 provisórios e seis estão internos no Centro Integrado de Apoio Psicossocial (Ciaps) Adauto Botelho.
“Mato Grosso surpreendeu desde o início, quando proporcionalmente superou todos os tribunais estaduais em número de magistrados e servidores presentes no curso de formação oferecido pelo CNJ. E vamos continuar assim, trabalhando com dedicação para cumprir os desafios e contribuir com a efetiva gestão da justiça criminal no país”, avaliou a corregedora-geral da Justiça, desembargadora Maria Aparecida Ribeiro, acrescentando que foi elaborado um cronograma especial, com escalas de plantão, para lançar todas as informações processuais e pessoais dos presos sob custódia do Estado, e os mandados de prisão pendentes de cumprimento.
Para a juíza auxiliar da CGJ-MT Ana Cristina Silva Mendes, que coordenada os trabalhos, esse resultado parcial superou as expectativas. “Foi realmente um sucesso a etapa da capital. Acredito que no interior será ainda mais tranquilo e que logo cumpriremos a determinação da ministra Carmén Lúcia. É preciso ressaltar ainda que a estabilização do sistema está contribuindo sobremaneira para a finalização do projeto”, afirmou.
O que é
O sistema Banco Nacional de Monitoramento de Prisões (BNMP 2.0) é uma ferramenta digital desenvolvida pelo CNJ que vai reunir, em um único cadastro nacional do Poder Judiciário, informações processuais e pessoais de todos os presos sob custódia do Estado, permitindo aos juízes acompanhar cada passo dos detentos no sistema carcerário. Além disso, a nova tecnologia possibilitará saber instantaneamente se a pessoa é foragida e qual o número de condenados foragidos.
Conforme a ministra Cármen Lúcia, o BNMP 2.0 vai solucionar a crônica imprecisão das informações sobre a população carcerária, o déficit de vagas dos presídios e quantidade de mandados de prisão não cumpridos no Brasil. Nele, constarão apenas informações de pessoas custodiadas e não dos apenados em prisão domiciliar, cumprindo penas alternativas, em regime aberto ou monitorados eletronicamente.
Com Assessoria

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMPE pede afastamento do prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro
Próximo artigoDeputado que tatuou nome de Temer bate em professor no Pará

O LIVRE ADS