MPF pede a prisão preventiva de hacker que vazou mensagens da Lava Jato

Walter Delgatti Neto invadiu celulares de juízes e procuradores e divulgar informações confidenciais da operação

(Foto: Reprodução)

O Ministério Público Federal pediu à Justiça a prisão preventiva do hacker Walter Delgatti Neto, que divulgou informações da operação Lava Jato. De acordo com a denúncia, ele roubou dados de celulares de autoridades, entre elas, o ex-juiz Sergio Moro e demais integrantes da operação.

No ofício expedido na última sexta-feira (19), o Ministério Público pede a revogação das medidas cautelares e a decretação de nova prisão preventiva de Delgatti Neto. A procuradora Melina Castro Montoya Flores argumenta que o hacker vem descumprindo as medidas cautelares.

Ainda de acordo com a procuradora, no último dia 16, Delgatti concedeu uma entrevista para um canal no YouTube. A exposição vai contra o acordo de custódia.

O criminoso virtual já havia sido preso pela Polícia Federal em julho de 2019, no âmbito da Operação Spoofing. Entretanto, em outubro do ano passado, a Justiça Federal revogou a prisão preventiva e impôs apenas limites à circulação.

Na época em que esteve preso, o hacker admitiu à PF que entrou nas contas de autoridades e que repassou mensagens ao site The Intercept Brasil, que publicou na integra o material.

Até o momento, não está definido quanto tempo o hacker ficará preso ou se conseguirá rever a decisão.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCaindo pela tabela
Próximo artigoJustiça manda enfermeira voltar a presídio por ser única profissional da unidade