MPE investiga empresas por pagamento de propina a deputados de MT

Inquéritos são abertos a partir da delação premiada do ex-presidente da AL, José Riva

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

O Ministério Público Estadual (MPE) instaurou dois inquéritos civis na quinta-feira (8) para investigar a suspeita de que empresas privadas contratadas pela Assembleia Legislativa de Mato Grosso tenham devolvido dinheiro de serviços não prestados à Mesa Diretora do Legislativo para garantir o pagamento de propina na ordem de até R$ 50 mil a cada um dos deputados estaduais.

Ambas as investigações serão conduzidas pelo promotor de Justiça Mauro Zaque de Jesus, que compõe o Núcleo de Defesa do Patrimônio Público.

Uma das empresas investigadas é a Astra Informática LTDA. De acordo com a colaboração premiada do ex-presidente da Assembleia Legislativa, ex-deputado estadual José Riva, houve simulação de contratos com a empresa privada com o mero intuito de desvio de dinheiro público.

O esquema funcionaria da seguinte maneira: as empresas firmavam contratos milionários com o Legislativo e não fornecia os serviços por completo ou parcialmente, o que permitiria a devolução de dinheiro que era repassado aos deputados estaduais.

Em troca, os parlamentares se comprometiam em não se opor aos atos da Mesa Diretora do Legislativo e também em apoiar ações e projetos de lei de interesse do poder Executivo.

As irregularidades ocorreram no período de fevereiro de 2003 a janeiro de 2015.

Já foi encaminhado ofício ao atual presidente da Assembleia Legislativa, deputado estadual Eduardo Botelho (DEM), para que forneça cópias de todos os contratos firmados pelo Legislativo com a empresa Astra Informática LTDA, contendo nota fiscal, atestados de recebimento de material, identificação dos servidores responsáveis pela autorização dos pagamentos e emissão de cheques.

A segunda empresa investigada no esquema de desvio de dinheiro público é a empresa Gráfica e Editora Centro Oeste Ltda, em razão de contratos firmados no período de fevereiro de 2003 a janeiro de 2015.

O esquema de pagamento de propina aos deputados estaduais, conforme depoimentos de José Riva na colaboração premiada firmada com o Tribunal de Justiça de Mato Grosso, vigorou durante 20 anos e abasteceu mensalmente, com propinas, até 51 deputados estaduais.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

1 COMENTÁRIO

  1. OS Jornais tbm poderiam acessar os ANEXOS da delação onde fala das papelarias falar o nome delas e seus respectivos proprietário ….    as  minhas que sou  proprietário Elias abrao N.  Júnior réu confesso da Operação IMPERADOR
    .. os jornais já reportaram…. nos meu depoimentos citei nome  das  empresas e  o cabeças do organograma na distribuição dos lotes Será que vai ficar ileso . ,  como os jornais reportam q são mais de 20 anos de corrupção  ok… eu particilei de 2004 a 2009 .estou pagando pelos meus erros  a cada dia venho redimindo …. o sistema e vergonhoso … espero ver  o macaco velho em corrupção  ser penalizado… o cabeça da distribuição dos lotes de papelaria …O bom samaritano  proprietário de papelaria em CUIABÁ e várzea Grande … vamos agurdar e ver o desenrolar .

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEvandro de Souza é nomeado reitor da UFMT por Bolsonaro
Próximo artigo“É a primeira vez que recebemos uma primeira-dama na aldeia”, diz cacique Tsereptsé