Mais de 60% dos prefeitos pretende manter o uso de máscara após concluir vacinação

Dados são da 27ª edição da pesquisa da Confederação Nacional de Municípios que também revela como anda a campanha de vacinação pelo país

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Mesmo com toda a população vacinada, 62% dos prefeitos brasileiros ainda avaliam manter a obrigatoriedade do uso de máscaras. Outros 32% ainda não decidiram sobre uma eventual flexibilização da regra.

Os dados estão contidos na 27ª edição da pesquisa da Confederação Nacional de Municípios (CNM) sobre a covid-19. Entre os dias 27 e 30 de setembro foram ouvidos 2.165 gestores municipais.

O último levantamento semanal da entidade mostrou que, atualmente, o uso de máscaras é obrigatório em lugares coletivos 97% dos municípios e em 96%, quando se trata de  ambientes públicos.

Quase 100% dos 2.108 gestores afirmam também manter comunicados a respeito da necessidade e da importância do equipamento.

Em relação às punições pelo descumprimento da obrigatoriedade, 38% das prefeituras responderam ter instituído penalidades e 59% não.

A pesquisa, que teve sua primeira edição publicada em março deste ano, aponta, no entanto, para um afrouxamento nas medidas restritivas: 40,8% dos municípios afirmam manter regime diferenciado de circulação ou para atividades econômicas.

Campanha de vacinação

O levantamento apontou também que 80% das cidades já está vacinando adolescentes sem comorbidades a partir dos 12 anos. Outros 19% ianda vacinam a população com idade entre 18 e 24 anos.

Além disso, 79,5% das prefeituras já começaram a aplicar a dose de reforço na população idosa.

Sobre a aplicação da primeira dose da vacina contra a covid, 39,3% dos municípios já alcançou 90% da população. Em 44,7% a vacina já foi aplicada entre 70% e 90% das pessoas que têm mais de 18 anos.

Cerca de 12% das cidades ainda está entre 50% e 70%.

Já quando o assunto é a segunda dose, apenas 1% dos municípios atingiu a marca de 90% das pessoas. Cerca de 12% vacinaram entre 70% e 90% e 45% aplicaram a segunda dose em 50% da população.

Falta de vacinas

Cerca de 18% das cidades que reponderam a pesquisa afirmaram que faltaram doses para seguir com a imunização das pessoas. Em 78% não houve esse problema.

Dos que afirmaram a falta de vacina, 48% disse que faltou para a primeira dose.

A CNM também perguntou se, em algum momento da vacinação, o município precisou fazer a chamada intercambialidade, que é quando se toma uma primeira dose de uma determinada marca de vacina e a segunda de outra marca. Essa prática já ocorreu em 28,6% das cidades.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCuiabá inicia campanha de multivacinação nesta segunda-feira
Próximo artigoDinheiro em caixa de Mato Grosso cresceu 38% neste ano