Justiça suspende propaganda em que Abílio acusa Emanuel de coagir servidores

Áudio atribuído à prima do prefeito - divulgado publicamente em rádio e TV - apresenta indícios de manipulação, disse o juiz

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Juiz da 1ª Zona Eleitoral de Cuiabá, Geraldo Fidélis determinou nesta terça-feira (24) que o candidato a prefeito de Cuiabá, vereador Abílio Júnior (Podemos), suspenda imediatamente uma propaganda eleitoral exibida em rádio e TV que acusa o prefeito e candidato à reeleição, Emanuel Pinheiro (MDB), de utilizar a estrutura da Secretaria Municipal de Saúde para coagir servidores públicos e obter apoio político.

Em caso de eventual descumprimento, foi estipulado pagamento de multa diária de R$ 10 mil.

Nos últimos dias, Abílio apresentou uma denúncia narrando que a prima do prefeito, Miriam Pinheiro, estaria coagindo servidores públicos municipais a apoiar Emanuel, sob pena de todos serem demitidos. Um áudio supostamente com a voz de Miriam Pinheiro foi exibido na propaganda eleitoral.

O magistrado acolheu o argumento de que a maneira como a denúncia foi exibida viola a legislação eleitoral, uma vez que, apresenta fortes indícios de adulteração. Além disso, ressaltou que a suspensão da propaganda eleitoral não fere o direito de manifestação política, mas serve para evitar que um material manipulado tenha o condão de influenciar eleitores.

“Em outras palavras, não se veda noticiar fatos, nem, tampouco, permite-se impedir críticas políticas – ainda que utilize expressões duras e contundentes, mas, tão somente, proíbe-se distorcê-los, como se deu no material acusado de irregular, para criar estados mentais, a fim de ganhar vantagem ou gerar prejuízo a outrem”, diz um dos trechos.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPesquisa feita em MT: farelo de babaçu é alternativa eficaz na pecuária leiteira
Próximo artigoJustiça afasta secretário e policia vasculha casa de prefeito de Rondonópolis